1/3

15 mil idosos são vacinados no Japão no fim deste domingo


JAPÃO - Um total de cerca de 15.000 idosos no Japão foram vacinados contra o novo coronavírus, mais do que o dobro do número divulgado pelo ministério da saúde neste domingo.


A discrepância lança dúvidas sobre a capacidade do novo sistema digitalizado do governo, lançado na segunda-feira passada, como parte dos esforços para coletar e gerenciar dados de inoculação individual em todo o país, em linha com o início do programa de vacinação para aqueles com 65 anos ou mais.


O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar disse que um total de 6.700 idosos já receberam vacinas em todo o Japão desde que o governo iniciou as vacinas para cerca de 36 milhões de idosos na segunda-feira passada.


Em contraste, a pesquisa Kyodo, realizada sexta-feira, descobriu que um total de 14.994 idosos foram vacinados em todo o país.


O número real de vacinação provavelmente será maior porque muitos municípios não conseguiram registrar com precisão o número de vacinas que deram a idosos.


Sob o chamado "Sistema de Registro de Vacinação", ou VRS, o governo central pede aos funcionários do governo local que registrem as vacinações individuais e informações pessoais em tempo real, com tablets digitalizando os códigos de barras dos tíquetes de vacinação apresentados pelos residentes.


Como os funcionários municipais não inserem os dados em tempo real em alguns casos, parece haver "um lapso de tempo" até que as informações sejam refletidas no sistema, disse um funcionário do Secretariado do Gabinete.


A Kyodo News conduziu a pesquisa em 148 municípios - que receberam o primeiro lote de vacinas para cerca de 50.000 idosos, de acordo com um anúncio do ministério da saúde - e 47 prefeituras japonesas.


De acordo com a pesquisa, 63 municípios responderam que não tinham conhecimento do número de pessoas vacinadas em suas áreas ou ainda não começaram a vacinar os residentes elegíveis.


O ministro da vacina do Japão, Taro Kono, disse no domingo que a Pfizer Inc. aumentará o fornecimento de sua vacina contra o coronavírus, permitindo ao país adquirir doses suficientes até o final de setembro para inocular todos os residentes elegíveis com 16 anos ou mais.


Kono fez a observação depois que o CEO da Pfizer, Albert Bourla, disse ao primeiro-ministro Yoshihide Suga, durante conversas por telefone no sábado, que a gigante farmacêutica dos EUA aumentará o fornecimento ao Japão.


O Japão tem testemunhado um pico de infecções no que os especialistas chamam de "quarta onda", enquanto o programa de vacinação do país avança lentamente em comparação com os Estados Unidos e a Europa.


Na pesquisa, pelo menos 19 municípios disseram ter desviado as vacinas designadas para idosos para profissionais de saúde - o principal alvo prioritário para vacinação, dados os altos riscos de infecções que seus empregos envolvem - já que os suprimentos de vacinas ficam para trás em relação ao número de pessoas elegíveis. trabalhadores.


Alguns governos locais desperdiçaram doses como resultado de cancelamentos de última hora, de acordo com a pesquisa.


Depois dos idosos, as pessoas com doenças pré-existentes, como diabetes, e as que trabalham em instituições de cuidados para idosos serão vacinadas em seguida, após o que a vacinação será eventualmente estendida ao restante da população.