1/3

21 atletas sul-africanos estiveram próximos a pessoas infectadas e serão monitorados de perto


JAPÃO - Um total de 21 membros da equipe sul-africana de futebol masculino para as Olimpíadas de Tóquio foram identificados como contatos próximos de três outros membros que testaram positivo para o coronavírus enquanto permaneceram na vila dos atletas, disse o comitê organizador dos jogos na segunda-feira.


O número de casos de coronavirus está aumentando entre os atletas que participam das Olimpíadas programadas para começar na sexta-feira, com uma jogadora de vôlei de praia tcheca se tornando a mais recente atleta a testar positivo para o vírus na vila e uma ginasta americana adolescente infectada durante um campo de treinamento perto de Tóquio.


Programado para enfrentar o Japão na quinta-feira na véspera da cerimônia de abertura, os sul-africanos identificados como contatos próximos podem participar se obtiverem resultados negativos em seus testes de reação em cadeia da polimerase realizados seis horas antes da partida.


Os três membros infectados do time de futebol sul-africano, James Monyane e Kamohelo Mahlatsi, além de um analista de vídeo, se tornaram os primeiros casos confirmados entre times olímpicos na vila da orla marítima de Tóquio no domingo.


A maioria dos 21 contatos próximos são jogadores, de acordo com o comitê organizador, com o porta-voz Masanori Takaya dizendo que "ajustes serão feitos com órgãos como a FIFA" em relação à organização da partida.


A FIFA exige pelo menos 13 jogadores de cada lado para que a partida prossiga.


De acordo com o manual olímpico que estabelece as regras de segurança do coronavírus, os contatos próximos só podem competir após retornar testes de PCR diários negativos, passar por exames de saúde por especialistas e obter a aprovação da federação internacional do esporte.


Os organizadores e o governo japonês insistiram que é possível realizar as Olimpíadas com segurança, apesar da pandemia do coronavírus, por meio da implementação de medidas antivírus estritas.


Brian McCloskey, um especialista em saúde que assessora o Comitê Olímpico Internacional, disse em uma entrevista coletiva na segunda-feira que a vila dos atletas é segura porque as pessoas que ficam lá estão sendo testadas para o vírus regularmente.


Ele também disse que os 58 casos de COVID-19 confirmados entre pessoas relacionadas às Olimpíadas, anunciados pelo comitê organizador, eram algo que ele esperava e talvez abaixo do que era previsto.


Ele disse acreditar que os jogos não contribuirão para espalhar o vírus no Japão, mas acrescentou que é impossível prever qual será a situação da infecção após o término dos jogos em 8 de agosto.


A União Sul-africana de Rugby, por sua vez, disse que o técnico do time masculino do país, Neil Powell, assumirá o comando de sua equipe remotamente da cidade de Kagoshima, no sudoeste, durante a campanha olímpica de 26 a 28 de julho, após ter testado positivo para o vírus no sábado.


Autoridades da cidade de Kagoshima, onde a equipe está hospedada, disseram no domingo que confirmaram resultados negativos nos testes para os outros 19 jogadores e funcionários da equipe sul-africana que conquistaram o bronze nos Jogos do Rio em 2016.