1/3

30% dos estudantes relatam guardar para si seus sintomas de depressão, diz pesquisa


JAPÃO - Uma pesquisa em relação ao impacto da pandemia no país constatou que aproximadamente 30% dos alunos do ensino fundamental e médio disseram que mantinham em segredo sobre seus sintomas de depressão.


Uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Saúde e Desenvolvimento Infantil sobre o impacto do desastre da pandemia na saúde mental das crianças. Os especialistas apontam que é necessário criar um estado no qual as crianças possam se abrir.


Em dezembro do ano passado, um grupo do Centro Nacional de Saúde e Desenvolvimento Infantil (NCCHD) enviou um questionário para crianças do quinto ao terceiro ano em 50 municípios de todo o país para saber que influência a pandemia teve sobre a saúde mental das crianças, e recebeu respostas de um total de mais de 2400 pessoas.


De acordo com os resultados, 9% dos alunos da 5ª e da 6ª série e 13% dos alunos do ensino médio apresentavam sintomas de depressão moderada ou mais elevada, como oscilações de humor frequentes.


Quando perguntados se poderiam falar com alguém se tivessem sintomas de depressão, responderam que não falariam com ninguém e que esperariam um pouco mais. De acordo com o grupo, quanto mais graves os sintomas da depressão, maior a porcentagem de crianças que disseram que não consultariam ninguém tendia a ser.


Naho Morisaki, especialista em uma organização de medicina infantil, comentou: "Quanto mais angustiada for uma criança, menor é a probabilidade de ela querer causar problemas. É necessário ouvir a voz da criança e facilitar seus desabafos".