1665608300863.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

1665857330426.png
1665857427662.png

1/4
Buscar

33% das principais empresas listadas no Japão não têm mulheres executivas


JAPÃO - Um total de 33,4% das principais empresas listadas no Japão não tinham mulheres executivas em julho, com a taxa excedendo 50% em setores como transporte e papel e celulose, disse o Cabinet Office na semana passada.


Entre as 2189 empresas listadas na Primeira Seção da Bolsa de Valores de Tóquio, 732 não tinham nenhuma executiva feminina, como conselheiros e auditores, no final de julho, segundo apuração do governo.


A taxa de grandes empresas sem mulheres executivas diminuiu constantemente de 62,0% em 2017, mas permanece relativamente alta, apesar dos esforços do país para promover a representação feminina nos negócios.


Dos 33 setores, as empresas em nove setores sem executivos do sexo feminino ficaram em 50% ou mais, com a taxa em cerca de 70% nos setores de transporte marítimo e de celulose e papel.


Os dados também mostraram que a promoção das mulheres tem sido lenta nos setores de aço, maquinário e imobiliário.


Por outro lado, a proporção de empresas com mulheres executivas foi mais elevada no setor de eletricidade e gás, seguida pelos setores bancário e de transporte aéreo, segundo os dados.


Seiko Noda, ministro encarregado da igualdade de gênero, disse em uma entrevista coletiva em 26 de novembro: "Espera-se que o valor corporativo aumente com a promoção das mulheres porque há dados que mostram que as empresas com uma proporção maior de mulheres executivas têm melhor desempenho".


Acredita-se que se houver mais mulheres envolvidas na tomada de decisões corporativas, os diversos valores estarão mais bem refletidos na gestão de uma empresa.


O Cabinet Office publica dados sobre o número e a proporção de mulheres executivas em empresas listadas no Japão em seu site. Ela começou a divulgar uma lista de empresas com zero mulheres executivas em 2020.


O governo japonês falhou em cumprir a meta de preencher cerca de 30% dos cargos de liderança no país com mulheres até 2020, adiando a data para "o mais rápido possível na década de 2020" em uma revisão de política no ano passado.