1/3

345 pessoas no Japão infectadas com variantes do coronavírus


JAPÃO - O Ministério da Saúde do Japão disse na quarta-feira que 345 pessoas em 21 das 47 prefeituras do país foram infectadas com novas variantes do coronavírus detectadas pela primeira vez na Grã-Bretanha, Brasil e África do Sul.


Com base nos dados da terça-feira, o ministério disse que testes domésticos descobriram que 271 pessoas foram infectadas com uma variante, enquanto 74 foram descobertas infectadas de forma semelhante, passando por verificações de quarentena em aeroportos.


O governo japonês está preocupado com o risco de que as variantes possam se espalhar rapidamente pelo país e que as vacinas disponíveis atualmente possam ser menos eficazes contra elas, mesmo com o início do lançamento da vacina recentemente.


Shigeru Omi, chefe do subcomitê COVID-19 do governo, advertiu que as variantes se tornariam a linhagem dominante no Japão "mais cedo ou mais tarde", em uma sessão do comitê parlamentar na quarta-feira.


A maioria das pessoas infectadas com as variantes no Japão está infectada com a versão britânica, mas as variantes brasileira e sul-africana são consideradas particularmente contagiosas.


Todas as 77 pessoas com teste positivo para variantes após fazerem testes domésticos desde sábado foram infectadas com a variante britânica.


Pela prefeitura, Osaka teve o maior número de pessoas infectadas com as variantes em 62, de acordo com o ministério. Foi seguido por Saitama com 41, Hyogo com 38 e Niigata com 32.


Os dados foram coletados pelo "HER-SYS", um sistema de compartilhamento de informações sobre pessoas infectadas desenvolvido pelo governo para monitorar a pandemia.


O governo tem intensificado os esforços para permitir que os municípios administrem testes de reação em cadeia da polimerase para detectar variantes do vírus. Houve 1.200 testes desse tipo realizados entre 22 e 28 de fevereiro, de acordo com as autoridades.