TSJ MN_edited.png

1/3

Advogados do "Assassino do Twitter" fazem "pedido de clemência" ao tribunal


TÓQUIO - Os advogados do homem apelidado de "Assassino do Twitter" do Japão apelou na sexta-feira contra a pena de morte decretada no início desta semana pelos assassinatos em 2017 de nove pessoas que postaram pensamentos suicidas nas redes sociais.


A mudança ocorreu apesar de Takahiro Shiraishi, 30, ter dito durante seu julgamento na seção de Tachikawa do Tribunal Distrital de Tóquio que não apelaria da sentença, mesmo que recebesse a pena de morte. Ele se confessou culpado de todas as acusações contra ele.


O tribunal decidiu que as nove vítimas não consentiram em serem mortas e que Shiraishi estava mentalmente apto para ser responsabilizado pelos assassinatos.


No caso de alto perfil, seus advogados de defesa argumentaram que ele era culpado apenas pela menor acusação de homicídio com consentimento, visto que tinha a aprovação tácita de suas vítimas com base nas mensagens que lhe enviaram.


De acordo com a decisão, Shiraishi estrangulou e esquartejou suas vítimas - oito mulheres e um homem de 15 a 26 anos - do final de agosto ao final de outubro de 2017 e também agrediu sexualmente todas as vítimas femininas. Ele também roubou dinheiro.


Partes de seus corpos foram descobertas dentro de vários refrigeradores em seu apartamento em Zama, província de Kanagawa, perto de Tóquio.


Acredita-se que Shiraishi tenha prometido ajudar suas vítimas a morrerem via Twitter, usando seu apelido que pode ser traduzido como "carrasco" e convidando-as para seu apartamento, depois que expressaram pensamentos suicidas.