1/3

AIEA apóia descarte de água de Fukushima, pronta para dar suporte técnico


ÁUSTRIA - A Agência Internacional de Energia Atômica disse na terça-feira que apóia a decisão do Japão de liberar água radioativa tratada da usina nuclear de Fukushima para o mar e está pronta para fornecer assistência técnica no monitoramento da descarga.


O órgão nuclear da ONU reiterou que a liberação de água está de acordo com a prática internacional e é tecnicamente viável, depois que o governo japonês no mesmo dia tomou a decisão com base no fato de que o plano não deve representar preocupações de segurança, apesar da oposição dos pescadores locais e das nações vizinhas.


"Estou confiante de que o governo (japonês) continuará a interagir com todas as partes de forma transparente e aberta enquanto trabalha para implementar a decisão de hoje", disse o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, em um comunicado à imprensa.


A organização está pronta para fornecer suporte técnico no monitoramento e revisão da implementação segura e transparente do plano, acrescentou.


De acordo com a AIEA, as descargas controladas de água no mar são métodos rotineiramente usados ​​por operadores de usinas nucleares em todo o mundo sob autorizações regulatórias específicas com base em avaliações de impacto ambiental e de segurança.


Na planta de Fukushima, que foi danificada pelo terremoto e tsunami de março de 2011, a água bombeada para os reatores para resfriar o combustível derretido, misturada com a chuva e a água subterrânea, é tratada usando um sistema avançado de processamento de líquidos, ou ALPS. Mas a água tratada ainda contém trítio, que será reduzido a níveis seguros para liberação.


Mais de 1,25 milhão de toneladas de água contaminada são armazenadas em tanques, que ocupam grandes áreas do local, e a capacidade de armazenamento deve se esgotar por volta do outono do próximo ano.


O Japão pediu à AIEA o envio de missões internacionais de especialistas para revisar os planos e atividades do país com base em seus padrões de segurança, de acordo com a agência.


"Vamos trabalhar em estreita colaboração com o Japão antes, durante e depois da descarga de água", disse Grossi, que visitou a usina nuclear de Fukushima Daiichi da Tokyo Electric Power Company Holdings Inc. no ano passado.


Grossi também acrescentou que a decisão do governo é "um marco" e ajudará a companhia de energia a progredir no descomissionamento da planta danificada de Fukushima.