1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

AIEA diz que não encontra falhas em despejo de água tratada ao mar


JAPÃO - A Agência Internacional de Energia Atômica disse na sexta-feira que os preparativos do Japão para a descarga planejada de água tratada da usina nuclear de Fukushima aleijada estão em grande parte em conformidade com as normas internacionais de segurança relevantes.


A força-tarefa da AIEA, composta por especialistas independentes e altamente reconhecidos com diversas origens técnicas de vários países, está revisando a segurança do plano para aumentar a transparência e obter compreensão internacional em meio à vizinha China e à Coreia do Sul expressando preocupações.


Em seu primeiro relatório sobre a segurança do plano após a missão da força-tarefa na usina nuclear de Fukushima Daiichi em fevereiro, a agência resumiu o progresso geral nos preparativos técnicos para a descarga de água tratada, prevista para começar por volta da primavera do próximo ano.


O diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, destacou que o Japão fez "progressos significativos em seus preparativos" e que a força-tarefa está satisfeita que a operadora da usina Tokyo Electric Power Company Holdings Inc. e o Ministério da Economia, Comércio e Indústria identificaram os próximos passos apropriados para a descarga de água.


Grossi acrescentou que o trabalho da AIEA continuará com o objetivo de liberar suas conclusões antes da alta.


A água que se contaminou após ser bombeada para resfriar o combustível do reator derretido na usina vem se acumulando no complexo, também se misturando com água da chuva e águas subterrâneas no local.


É tratada através de um sistema avançado de processamento líquido que remove radionuclídeos, exceto o trítio, e a água será liberada a 1 quilômetro da costa da usina através de um túnel subaquático.


Antes da descarga, ela será diluída com água do mar abaixo de um 40º da regulamentação vigente, de acordo com o governo.