1/3

Ex-enfermeiras falam em diversos obstáculos para atuar nas equipes de vacinação


JAPÃO - As expectativas são altas de que enfermeiras licenciadas atualmente não empregadas em instalações médicas podem ajudar a acelerar a implementação da vacinação contra o coronavírus no Japão, mas obstáculos incluindo horários de trabalho inflexíveis e filhos as impedem de atuar.


"Eu poderia cooperar se aplicar injeções em uma clínica local pela manhã", disse uma mulher de 38 anos de Suita, em Osaka, que trabalhava como enfermeira em um hospital antes de pedir demissão em 2015.


A mulher, que fica frustrada cada vez que vê uma reportagem na mídia sobre a falta de pessoal para administrar as vacinas, agora está procurando emprego com a condição de que só trabalhe enquanto seu filho estiver matriculado em alguma escola.


Ela também quer trabalhar em uma clínica em vez de em um local de vacinação em grupo devido ao medo de ser infectada pelo vírus, mas até agora não conseguiu encontrar um emprego que atendesse às suas necessidades.


A escassez de médicos e enfermeiras para administrar injeções é um dos fatores por trás da implementação lenta da inoculação no Japão, que está muito atrás de outros países desenvolvidos.


O governo acrescentou dentistas e médicos estagiários à lista de profissionais médicos autorizados a dar jabs e está explorando outras possibilidades, incluindo ex-enfermeiras e paramédicos.


Em 2010, havia cerca de 710.000 enfermeiros qualificados com menos de 65 anos que não trabalhavam em instalações médicas no país, de acordo com o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar.


Outra ex-enfermeira, uma mulher de 30 anos em Akishima, em Tóquio, também procurou trabalho depois de pedir demissão há quatro anos devido a um casamento e uma mudança de residência.


Ela encontrou uma oferta de emprego localmente para administrar vacinas contra o coronavírus, mas desistiu de se inscrever porque não conseguiu encontrar um lugar para cuidar de seu filho enquanto ela trabalhava. "Fiquei interessada, mas o momento não coincidiu", disse ela.


De acordo com uma pesquisa online realizada em março por uma empresa de recrutamento com 1545 enfermeiras licenciadas desempregadas com idades entre 21 e 54 anos, 63,5% delas foram positivas sobre a adesão às campanhas de vacinação do país.


Dos entrevistados, 18,6% disseram que se candidatariam a um emprego para administrar vacinas e 44,9% disseram que considerariam se candidatar, dependendo do que se espera que façam e das condições de trabalho.


Na pesquisa da DIP, operadora do portal de recrutamento Baitoru, 36,5% disseram não estar interessados ​​em participar da campanha de vacinação. Alguns entrevistados perguntaram sobre o risco de infecção e se existem medidas em vigor para lidar com emergências, como reações adversas graves entre os destinatários da vacina.


Outros queriam saber se o emprego era apenas temporário ou se vinha com perspectivas de longo prazo, de acordo com a pesquisa.


Ao analisar os resultados da pesquisa, o DIP disse que enquanto muitos entrevistados procuram trabalhar menos horas, os empregadores relutam em recrutar enfermeiras em meio período porque isso envolve mais trabalho no treinamento e na atribuição de tarefas.


"Esperamos apoiar diversos estilos de trabalho para que aqueles com licenças (de enfermagem) possam usar seus conhecimentos", disse um funcionário do DIP.