1/3

Americanos que ajudaram Ghosn a fugir do Japão são condenados à prisão


JAPÃO - Dois americanos foram considerados culpados na segunda-feira em Tóquio por ajudarem o ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, a pular a fiança e fugir do Japão em 2019, um caso de alto perfil que lhe permitiu escapar do julgamento que poderia enfrentar por suposta má conduta financeira.


O Tribunal Distrital de Tóquio sentenciou Michael Taylor, um ex-Boina Verde de 60 anos, a dois anos de prisão, e seu filho Peter, de 28 anos, a um ano e oito meses de prisão. A pena máxima no Japão por ajudar um acusado a fugir é de três anos de prisão.


Ao proferir a decisão, o Juiz Presidente Hideo Nirei disse que não há perspectiva de realizar o julgamento de Ghosn como resultado de sua fuga.


“Diante da gravidade das consequências e da maldade do crime, as sentenças de prisão são inevitáveis”, afirmou.


A dupla se declarou culpada e se desculpou por seus papéis na fuga de Ghosn. Sua equipe de defesa havia pedido penas suspensas.


Os promotores de Tóquio haviam buscado dois anos e 10 meses para o pai e dois anos e seis meses para o filho, dizendo que a responsabilidade criminal dos Taylor era "grave", pois participaram de insultos e diminuição do judiciário japonês.


Os promotores disseram que os Taylors foram motivados por ganhos monetários, pois receberam cerca de US$ 860.000 antes da fuga e US$ 500.000 em criptomoeda depois que Ghosn escapou do Japão com sucesso.


Os dois puderam usar o restante dos recursos fornecidos por Ghosn após cobrir os custos relacionados à fuga, como a preparação de um jato particular, segundo os promotores.


De acordo com a decisão, os dois ajudaram Ghosn, 67, a escapar de sua residência no bairro de Minato, em Tóquio, para um hotel na capital e depois outro na Prefeitura de Osaka, oeste do Japão, em 29 de dezembro de 2019, antes de seguirem para Kansai International Aeroporto.


Eles então esconderam Ghosn em uma caixa, passaram pela segurança do aeroporto e o levaram a bordo de um jato particular para a Turquia, apesar de saberem que o ex-titã automotivo estava proibido de viajar para o exterior sob condições de fiança.


O ex-presidente da Nissan voou para o Líbano, um dos três países dos quais é nacional e que não tem tratado de extradição com o Japão.


Os Taylors foram presos em Massachusetts em maio do ano passado por autoridades americanas a pedido de promotores japoneses e lutaram contra a extradição nos tribunais americanos.


Mas a Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou o recurso em fevereiro. Eles foram presos quando extraditados dos Estados Unidos para o Japão em março e indiciados no mesmo mês.


Ghosn, que foi preso pela primeira vez em novembro de 2018, enfrenta acusações de subnotificar sua remuneração em milhões de ienes durante anos e usar indevidamente os fundos da montadora.


Ghosn, que liderou a Nissan por cerca de duas décadas, negou todas as acusações, insistindo que outros funcionários da empresa conspiraram para forçá-lo a sair da montadora japonesa.


Ele fugiu em dezembro de 2019 para o Líbano enquanto estava sob fiança e aguardava julgamento.


Outro americano e ex-alto executivo da Nissan, Greg Kelly, está sendo julgado em Tóquio por suspeita de auxiliar na subnotificação da remuneração de Ghosn. Kelly diz que ele é inocente.