1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Americanos suspeitos de ajudar Ghosn a fugir serão julgados em 14 de Junho


JAPÃO - Dois americanos serão julgados em 14 de junho sob a acusação de ajudar o ex-presidente da Nissan Motor Co. Carlos Ghosn a fugir do Japão e escapar de seu próprio julgamento em 2019, de acordo com o Tribunal Distrital de Tóquio.


Michael Taylor, 60, um ex-Boina Verde, e seu filho Peter, 28, ajudaram Ghosn, 67, a pular a fiança, apesar de saber que o ex-titã automotivo estava proibido de viajar para o exterior com base em suas condições de fiança, de acordo com a acusação do Tokyo Ministério Público Distrital.


Os dois admitiram ter ajudado Ghosn em sua fuga e disseram que foram abordados pela esposa de Ghosn, Carole, 54, segundo uma pessoa a par do assunto.


Os Taylors haviam lutado contra a extradição nos tribunais dos EUA, mas seu recurso foi rejeitado pela Suprema Corte dos EUA em fevereiro. Eles foram presos após chegar ao Japão em março e indiciados no mesmo mês.


O pai e o filho supostamente ajudaram Ghosn, que é acusado de crimes financeiros, a fugir de sua casa em Tóquio em 29 de dezembro e seguir para o Aeroporto Internacional de Kansai, tendo primeiro parado em um hotel em Tóquio e depois outro na prefeitura de Osaka.


No aeroporto, eles esconderam Ghosn em uma caixa para permitir que ele passasse pela segurança do aeroporto, depois o levaram em um jato particular para a Turquia.


Ghosn então voou para o Líbano, sua casa de infância, que não tem um tratado de extradição com o Japão.