1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Após site do governo, sites de serviço ferroviário vira mais uma vítima de ataque hacker


JAPÃO - Os sites de serviço ferroviário de Tóquio e Osaka ficaram fora do ar na noite desta quarta. Possivelmente pode ser alvo de mais um ataque por parte de hackers russos que apoiam o governo Putin.


Os ataques, que podem ter sido perpetrados pela Killnet, vêm um dia depois que o grupo reivindicou a responsabilidade por ataques a sites do governo japonês.


Por volta das 18h30 de quarta-feira, a Killnet postou no Telegram que havia declarado guerra contra o que chamou de "campanha anti-russa do Japão", e também enviou um vídeo.


Pouco depois, por volta das 19h, o grupo postou novamente alegando que iria parar a rede de metrô de Tóquio.


A última interrupção parece ter sido causada por outro ataque DDoS, no qual uma rede é sobrecarregada por hackers que enviam inundações de dados de várias fontes durante um curto período.


Os sites do governo afetados na terça-feira, incluindo o portal e-Gov, parecem ter sido atingidos por uma greve semelhante, que impediu o acesso a seus serviços.


O acesso a 23 sites em quatro ministérios do governo foi interrompido, disse o secretário-chefe do Gabinete, Hirokazu Matsuno, em uma coletiva de imprensa na quarta-feira. Ele também observou que os sites haviam retornado à funcionalidade e nenhum vazamento de dados havia sido confirmado na época.


Na terça-feira, Killnet postou em seu Telegram reivindicando a responsabilidade pelos ataques e pareceu escrever que estava se revoltando contra o "militarismo" do Japão e chutando os samurais.


Matsuno disse sobre as alegações do grupo de que havia encenado os ataques que ele estava ciente de que eles tinham implícito responsabilidade, mas só chegou a dizer que "a causa da interrupção, incluindo sua conexão (com Killnet) está em processo de ser confirmada".


Acredita-se que o grupo criminoso esteja por trás de uma série de ataques cibernéticos em sites pertencentes a países que apoiam a Ucrânia após a invasão da Rússia.