1665608300863.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

1665857330426.png
1665857427662.png

1/4
Buscar

Apesar da fraqueza do iene, Banco do Japão mantém política de taxas ultrabaixos


JAPÃO - O Banco do Japão manteve sua política monetária "ultraeasy" em desafio à crescente pressão do mercado para ajustá-la, inquieta com a perspectiva de mais fraqueza do iene, uma vez que fica muito atrás dos principais pares que avançam com o aumento das taxas para combater a inflação.


Ainda assim, o presidente Haruhiko Kuroda alertou que a recente depreciação acentuada da moeda japonesa é "negativa" para a economia e o banco central observará de perto os movimentos cambiais, após a decisão sem alteração em uma reunião de política de dois dias que fez o iene baixar drasticamente em relação ao dólar americano.


Em um movimento amplamente esperado, o BOJ decidiu definir as taxas de juros de curto prazo em menos 0,1% e orientar os rendimentos dos títulos públicos japoneses de 10 anos em torno de zero por cento.


"O aperto de políticas não é apropriado neste momento", disse Kuroda em uma coletiva de imprensa pós-reunião.


"Há uma incerteza extremamente acentuada sobre as perspectivas econômicas e financeiras. Precisamos manter a flexibilização monetária para atingir a meta de estabilidade de preços (de 2%) de forma estável e sustentável, acompanhada de crescimento salarial", disse.


Respondendo aos apelos para que o BOJ tome medidas para deter o declínio do iene, um reflexo da divergência na abordagem política entre o Federal Reserve dos EUA e outros grandes pares, Kuroda reiterou que a política monetária não tem como alvo as taxas de câmbio.


"O recente rápido enfraquecimento do iene está aumentando a incerteza sobre as perspectivas e dificultando a elaboração de planos de negócios para que seja negativo e indesejável para a economia", disse ele.


Kuroda reconheceu que o aumento dos rendimentos no exterior vem afetando os homólogos japoneses que o BOJ vem tentando manter a depressão em níveis inferiores sob seu programa de controle de curva de rendimento.


Mas ele ressaltou a determinação do BOJ de defender seu limite superior de 0,25% sobre o rendimento de referência de 10 anos, dizendo que não há planos para permitir que ele aumente ainda mais.


As observações de Kuroda derrubaram as especulações do mercado de que um ajuste de política seria possível, uma vez que os agentes do mercado haviam testado a tolerância do BOJ e a pressão de agir antes da reunião de sexta-feira.


O banco parece estar em apuros. Ela precisa justificar sua necessidade de manter sua política de taxas ultrabaixos com base na visão de que uma recente crise de inflação não será sustentável enquanto a rápida depreciação do iene, um subproduto de sua postura dovish, eleva os custos de importação para o Japão escasso de recursos e pode prejudicar as famílias.


O frágil estado da economia japonesa, agora diante da pressão descendente dos preços mais altos das commodities, é a razão por trás da retenção do BOJ da flexibilização monetária.


"A economia do Japão tem se levantado como uma tendência, embora alguma fraqueza tenha sido vista em parte, principalmente devido ao impacto do COVID-19 e ao aumento dos preços das commodities", disse o BOJ em comunicado emitido após a reunião de política.


Os grandes bancos centrais estão lutando para domar a inflação crescente. O Fed avançou com um aumento de 0,75 ponto percentual na quarta-feira, o maior desde 1994, e os bancos centrais da Grã-Bretanha e da Suíça seguiram o exemplo aumentando as taxas. O Banco Central Europeu planeja aumentar as taxas em julho.


O Banco do Japão disse que não hesitaria em tomar medidas adicionais de flexibilização se necessário, acrescentando que as taxas de juros da política permanecerão "em seus níveis atuais ou mais baixos".


"Não querem balançar o barco agora, especialmente antes da eleição de julho", disse Mari Iwashita, economista-chefe de mercado da Daiwa, observando que a decisão de sexta-feira estava dentro das expectativas.


O iene tem enfrentado intensa pressão de venda, à medida que os mercados financeiros esperam que a diferença nas taxas de juros entre o Japão e seus pares no exterior aumente.


"Se o iene cair bruscamente a partir de agora, como visto nos últimos meses, aumentará a sensação de alarme do BOJ", disse Iwashita. "A especulação de mercado (de ajustes de políticas) provavelmente persistirá à medida que outros grandes bancos centrais estão elevando suas taxas. Temos uma reunião do BCE em julho, quando é esperado um aumento da taxa."


Kuroda, o ex-diplomata japonês de alta moeda, tinha tomado a opinião de que um iene mais fraco é geralmente positivo para a economia. Depois de deslizar abaixo de 135 para o dólar, ele começou a destacar mais de seu lado negativo.


"Pode não ser o caso de que a recente volatilidade nos mercados cambiais já tenha afetado o sentimento corporativo. Dito isso, concordo totalmente com aqueles nos círculos empresariais que dizem que flutuações rápidas não são favoráveis", disse ele.


Kuroda foi criticado por dizer no início deste mês que as famílias haviam se tornado "tolerantes" com o aumento dos preços, uma expressão que ele usou para enfatizar a necessidade de um crescimento salarial mais robusto, mas ele se retirou mais tarde como inapropriado.


A guerra da Rússia contra a Ucrânia fez com que os preços de energia e matérias-primas subissem fortemente, acelerando a inflação por atacado no Japão escasso de recursos, que depende fortemente dessas importações.


A inflação ao consumidor, observada de perto pelo BOJ na política norteadora, também acompanhou o aumento dos preços das mercadorias negociadas entre as empresas, com o indicador-chave excluindo itens voláteis de alimentos frescos atingindo 2% em abril pela primeira vez em sete anos.


A passagem tem sido modesta e o banco espera que essa inflação de custo seja transitória. Os consumidores já começaram a sentir dor, pois os itens do dia a dia são mais caros, uma preocupação para o primeiro-ministro Fumio Kishida com uma eleição nacional marcada para 10 de julho.