TSJ MN_edited.png

1/3

Aprovação de Kishida subiu para 61,5%, diz Kyodo News


JAPÃO - Uma pesquisa feita pela Kyodo News disse que o índice de aprovação do primeiro-ministro Fumio Kishida subiu para 61,5%, o maior desde que assumiu o cargo em outubro do ano passado, refletindo a satisfação do público com o governo começando a aliviar as restrições pandêmicas.


Na pesquisa telefônica de dois dias que durou a partir de sábado com mais de 1000 entrevistados em todo o país, a avaliação foi superior a 58,7% há cerca de um mês. O último índice de desaprovação ficou em 21,8%, abaixo dos 23,1%.


Os resultados mostraram que 53,9% dos entrevistados apoiaram a recente decisão do governo de mudar sua política sobre máscaras, agora dizendo que usá-las ao ar livre nem sempre é necessário, desde que as pessoas não conversem.


Como a situação da infecção no Japão se estabilizou e mais pessoas foram vacinadas contra a COVID-19, o governo disse na sexta-feira que também dobrará o limite de chegadas ao exterior para 20.000 pessoas por dia a partir do próximo mês e aliviará as regras de teste de coronavirus para viajantes.


A pesquisa mostrou que 65,5% deles favorecem o relaxamento dos controles fronteiriços, enquanto os resultados sugerem que mais pessoas esperam que o governo se concentre mais em medidas para ajudar a economia a se recuperar do que evitar a propagação do vírus.


Um total de 53,7% acreditam que deve priorizar a atividade econômica sobre as precauções contra o COVID-19, enquanto 44,6% são favoráveis ao contrário.


A pesquisa, por sua vez, constatou que 46,1% acham que o Banco do Japão deve manter sua enorme flexibilização monetária, em comparação com 40,4% acreditando que deveria acabar.


A inflação ao consumidor do Japão em abril saltou 2,1% em relação ao ano anterior, mostraram dados oficiais na sexta-feira, uma vez que os preços mais altos das commodities e um iene fraco ajudaram a elevar o indicador de preços-chave para uma alta de sete anos e acima da meta de 2% do banco pela primeira vez desde 2015.


Voltando-se para assuntos globais, a pesquisa mostrou que 71,2% apoiam a resposta do governo à invasão da Ucrânia pela Rússia.


Cooperando estreitamente com os Estados Unidos e países europeus, o Japão lançou uma enxurrada de sanções contra a Rússia, incluindo o congelamento dos ativos do presidente Vladimir Putin e uma série de funcionários de alto escalão, enquanto presta assistência aos ucranianos e aceitava evacuados do país devastado pela guerra.


Como alguns legisladores japoneses afirmam que as consequências da invasão vão além da Europa e o ambiente de segurança em torno do Japão está se tornando mais severo, 43,1% dos entrevistados apoiaram a ideia de o governo aumentar seu orçamento de defesa "até certo ponto".


No mês passado, o Partido Liberal Democrata no poder pediu a Kishida que considerasse dobrar o orçamento anual para um montante igual a 2% ou mais de seu produto interno bruto.


O Japão, conhecido por sua Constituição pacifista, há muito limita seu orçamento de defesa em cerca de 1% do PIB. A pesquisa constatou que 35,8% acreditam que o teto deve permanecer intacto, com 11,7% pedindo um aumento orçamentário drástico.


A pesquisa mensal atingiu 491 domicílios selecionados aleatoriamente com eleitores elegíveis e 1968 números de telefone celular. Rendeu respostas de 425 e 623 pessoas, respectivamente.