1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Asilo para deficientes mentais tenta encobrir caso de agressão a paciente em Kanagawa


KANAGAWA - Uma instalação para deficientes mentais perto de Tóquio tenta encobrir o abuso de um morador no ano passado, apesar dos incidentes terem sido flagrados por câmeras de segurança, imagens e documentos internos obtidos pela imprensa japonesa.


Para evitar abusos, a prefeitura de Kanagawa tem instalado mais câmeras na controversa instalação suspeita de envolvimento em cerca de 90 casos de violência até o momento, mas a revelação do encobrimento provavelmente levará a uma revisão de suas medidas.


A equipe da Nakai Yamayuri En, na prefeitura kanagawana, gravou informações falsas no diário para o morador do sexo masculino, incluindo que "ele foi empurrado com força" apesar das imagens mostrarem que foi agredido com socos.


Os dois videoclipes gravados em setembro de 2021 revelaram uma pessoa de 40 anos sendo agredido por funcionários do sexo masculino em dois dias separados.


Em um dos clipes, um funcionário colocou o homem sentado em um carrinho de bagagem e começou a socá-lo duas vezes no rosto depois de ser mordido. O outro clipe mostrou um membro diferente da equipe chutando o homem na perna do lado para impedi-lo de chutar uma janela enquanto estava sentado no chão.


O primeiro incidente foi referenciado no diário para o morador, mas simplesmente notou que sua "bochecha foi empurrada com força com a palma da mão aberta" e que os hematomas em seu rosto foram "presumivelmente causados por ele bater no carrinho, parede ou no chão".


O governo da prefeitura já denunciou o assunto à polícia e planeja tomar medidas disciplinares contra os funcionários infratores. As imagens das agressões e do encobrimento devem ser incluídas em um próximo relatório.


Em março, a prefeitura lançou uma sonda externa na instalação para investigar casos suspeitos, como a acusação de que um morador sofreu ossos quebrados como resultado da violência dos funcionários, mas o incidente foi tratado como um acidente.


No Japão, qualquer um que presencie uma agressão a pessoa idosa é obrigado por lei a denunciar o caso imediatamente a polícia ou será enquadrado como conivente.


No entanto, o líder do dormitório e o chefe da seção na instalação não informaram ou informaram o governo municipal e a família do homem sobre os incidentes, embora tenham visto as imagens.


Hiroshi Kanno, diretor da instalação, disse que, embora o chefe da seção tenha relatado a ele que um morador havia sofrido contusões devido a "manipulação brusca", ele não achava que tinha sido socado.


"Verifiquei os hematomas no dia seguinte, mas não vi as imagens da câmera", disse Kanno. "Em retrospectiva, eu deveria ter."


Em 2020, um ex-zelador da Tsukui Yamayuri En, uma instalação semelhante na prefeitura, foi condenado à morte pelo assassinato em massa em 2016 de 19 moradores com deficiência mental e pela lesão de outros 26, incluindo dois funcionários.