1/3

Atentado a hospital psiquiátrico em Kanagawa completa 5 anos


JAPÃO - Famílias enlutadas e autoridades locais lembraram na segunda-feira as vítimas de um ataque violento de facadas em um asilo para deficientes mentais perto de Tóquio, há cinco anos, que se tornou um dos piores assassinatos em massa no Japão.


O governador de Kanagawa, Yuji Kuroiwa e Kazuma Otsuki, que chefia um grupo formado pelas famílias das vítimas, ofereceu flores em um cenotáfio no terreno de Tsukui Yamayuri En, onde um ex-funcionário matou 19 residentes e feriu 24 outros, em 26 de julho de 2016 Dois funcionários também ficaram feridos.


A casa foi reconstruída e deve aceitar de volta residentes no próximo domingo.


"Devemos construir uma sociedade onde todos possam viver juntos, ganhando energia (da determinação) de que esse trágico acidente não se repita", disse Kuroiwa a repórteres no local em Sagamihara, província de Kanagawa.


O ex-funcionário, cuidador Satoshi Uematsu, 31, está no corredor da morte com sua sentença de morte finalizada em março do ano passado, depois que ele retirou o recurso. Ele disse durante seu julgamento que as pessoas com deficiência que não conseguem se comunicar "criam infelicidade na sociedade".


O cenotáfio traz os nomes de sete das pessoas mortas no tumulto depois que o governo da província obteve a aprovação de suas famílias. Por medo de sofrer discriminação, muitas famílias relutam em revelar os nomes das vítimas.


Os sete incluem Miho, uma garota de 19 anos cuja família deseja revelar apenas seu primeiro nome, e Toshikazu Yamamoto, 49 anos.


"Estou morrendo de saudades de Miho", disse a mãe da vítima em um comunicado divulgado por seu advogado.


Os pais de um dos sobreviventes, Kazuya Ono, 48, que sofreu ferimentos graves no ataque, também visitaram o local para prestar suas homenagens.


"Esses cinco anos passaram muito rápido. Embora tenha havido alguns incidentes difíceis e torturantes, eu quero continuar" transmitindo o que aconteceu para que o incidente não seja esquecido, disse o pai do sobrevivente, Takashi Ono, 77. Seu filho agora mora sozinho em um apartamento com a ajuda de 15 assistentes sociais.


Uma ex-trabalhadora de uma casa de saúde de 48 anos, lembrou que algumas das vítimas não conseguiam falar e costumava expressar seus sentimentos com gestos. "Os falecidos me ensinaram muitas coisas. Quero transmitir (ao público) que a vida de todos tem sentido."


Kazuko Iwamura, um membro de 60 anos de um grupo local de pessoas com deficiência, disse: "Nós somos humanos. Não podemos perdoar (Uematsu) e deixar esse incidente ser esquecido."


O secretário-chefe de gabinete, Katsunobu Kato, expressou "sinceras condolências" às vítimas em uma entrevista coletiva na segunda-feira, dizendo: "É importante realizar uma sociedade onde todas as pessoas possam coexistir sem discriminação ou preconceito."


O governo da prefeitura de Kanagawa decidiu construir uma nova casa de repouso no local da instalação e outra na cidade de Yokohama, e iniciar a admissão dos residentes lá no próximo domingo e 1º de dezembro, respectivamente.


Os sobreviventes do ataque, que estiveram em instalações temporárias, entrarão nas casas recém-construídas ou nas casas coletivas.