1665608300863.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

1665857330426.png
1665857427662.png

1/4
Buscar

Atleta da Geórgia é preso por agredir funcionário de hotel


JAPÃO - Um atleta paraolímpico da Geórgia foi preso na segunda-feira por supostamente agredir um segurança em um hotel de Tóquio na semana passada, disse a polícia na segunda-feira.


O preso é Zviad Gogotchuri, que conquistou a medalha de ouro no judô masculino de 90 quilos nas Paraolimpíadas do Rio de Janeiro 2016, informou a polícia.


O judoca de 34 anos estava escalado para competir na categoria 100 kg do esporte nas Paraolimpíadas a partir da próxima semana. Ele é acusado de quebrar uma costela do segurança na casa dos 60 anos por volta das 8h20 de quinta-feira ao pular em cima dele e agarrar seu pescoço.


O incidente aconteceu depois que um outro segurança alertou Gogotchuri e vários outros atletas georgianos sobre o barulho que eles estavam fazendo enquanto aparentemente bebiam no corredor do sexto andar do hotel, de acordo com a polícia.


Gogotchuri estava em quarentena no hotel depois que um membro da equipe do país testou positivo para COVID-19, disse a polícia. Eles disseram que o judoca admitiu sua ação, citando-o como tendo dito: "Não tenho desculpa".


A polícia de Tóquio iniciou uma investigação sobre o caso depois que o guarda que sofreu o ferimento apresentou uma queixa no sábado.


A expectativa é de que Gogotchuri seja expulso da Paraolimpíada e volte para casa, de acordo com um oficial do comitê organizador dos jogos.


Durante as Olimpíadas, dois judocas do sexo masculino da Geórgia também perderam o credenciamento por deixar a vila dos atletas para passear, violando os protocolos do COVID-19.


As Paraolimpíadas, envolvendo até 4400 atletas de todo o mundo, devem começar no dia 24 de agosto. Assim como as Olimpíadas, que terminaram no início deste mês, as Paraolimpíadas serão realizadas em sua maioria a portas fechadas devido à pandemia.


"É muito lamentável que tal ação tenha sido tomada por um paraolímpico", disse Toshiro Muto, CEO do comitê organizador das Olimpíadas e Paraolimpíadas, em uma coletiva de imprensa realizada após uma reunião para decidir sobre a política de espectadores.