top of page
1665608300863 (1).png
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube

Autossuficiência alimentar atinge 38% em 2022, próximo do baixo recorde

JAPÃO - No cenário alimentar do Japão, a taxa de autossuficiência em termos de calorias consumidas permaneceu estagnada em 38% durante o ano fiscal de 2022, uma realidade que não sofreu alterações significativas em relação ao ano anterior.


No entanto, essa estabilidade encobre uma situação delicada, já que essa porcentagem se mantém perigosamente próxima de um patamar histórico mínimo. Essa informação foi trazida à tona pelo Ministério da Agricultura, que lança luz sobre a necessidade crescente do país de elevar seus padrões de segurança alimentar.


Mas a história se desdobra de maneira distinta quando a avaliação é feita com base no valor monetário da produção. Nesse aspecto, a taxa de autossuficiência caiu para 58% durante o ano fiscal de 2022, marcando uma queda de 5 pontos percentuais em relação ao ano anterior.


É um registro que ecoa as décadas passadas e ressoa como o mais baixo desde 1965, traçando um arco histórico das complexas relações entre os preços globais dos grãos e as flutuações na valorização da moeda local. O Ministério da Agricultura, Florestas e Pescas foi enfático ao apontar esses fatores como os principais influenciadores dessa dinâmica.


Enquanto o Japão enfrenta a contínua batalha para reduzir a ingestão calórica per capita, cujos números se situam entre os mais baixos entre as nações líderes, a meta do governo de atingir uma autossuficiência de 45% até 2030 se apresenta como uma montanha a ser escalada.


Este é um desafio de magnitude singular, especialmente no contexto da turbulência geopolítica gerada pela invasão da Ucrânia pela Rússia e a sombra contínua da pandemia de COVID-19 pairando sobre o fornecimento estável de alimentos.


Estabelecendo um olhar para o futuro, o governo delineou uma ambição ousada, aspirando atingir uma taxa de autossuficiência de 75% até o ano fiscal de 2030, quando considerado o valor de produção.


O registro de 38% durante o ano fiscal de 2022, quando avaliado pela ingestão calórica, mantém-se notavelmente próximo da marca histórica baixa de 37%, um patamar que foi registrado pela última vez no ano fiscal de 2020.


Dentro do panorama desse ano, observa-se não apenas a diminuição na captura de mariscos e peixes, mas também uma redução na colheita de trigo e um decréscimo no consumo de óleos e gorduras, itens que o Japão tradicionalmente importa em larga escala.


Essa combinação de fatores resultou na manutenção da mesma taxa de autossuficiência em relação ao ano anterior, uma explicação que ecoa pelas palavras do ministério.


Essa narrativa de queda gradual na taxa de autossuficiência alimentar ao longo das décadas reflete a evolução nas preferências alimentares da sociedade japonesa, um panorama onde o consumo de arroz local cai de forma constante enquanto o apetite por carne ganha terreno.


Explorando a autossuficiência por categoria de alimentos, o quadro se desenha com nuances. A taxa de autossuficiência para o arroz, medida em peso, viu um aumento modesto de 1 ponto percentual, alcançando 99%.


Em contrapartida, o trigo registrou uma queda de 2 pontos percentuais, chegando a 15%, enquanto a soja diminuiu 1 ponto percentual, atingindo 6%. Enquanto isso, no reino das hortaliças, a taxa de autossuficiência recuou levemente, cedendo 1 ponto percentual, para atingir 79%, enquanto os mariscos e peixes marinhos viram uma queda mais expressiva, com uma diminuição de 4 pontos percentuais, resultando em uma taxa de 54%.

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


© TSJ 2024. Todos os direitos reservados

bottom of page