1665608300863.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

1665857330426.png
1665857427662.png

1/4
Buscar

Avaliação de segurança de usina nuclear é interrompida após detectar adulteração de dados


JAPÃO - O regulador nuclear disse na quarta-feira que interromperá sua avaliação de segurança de um reator central do Japão em resposta ao operador ter adulterado dados geológicos importantes relacionados a uma falha debaixo da instalação, colocando em dúvida o seu reinício após um desligamento de 10 anos.


A Autoridade de Regulamentação Nuclear disse que interromperá sua avaliação da unidade nº 2 na usina nuclear de Tsuruga, na província de Fukui, até que confirme que a operadora, Japan Atomic Power, melhorou o gerenciamento de dados como aquele que foi alterado para fazer a falha parece menos ativa.


"A confiabilidade da documentação é necessária para avaliar se a avaliação de um operador (de falhas e outros aspectos) é apropriada", disse o presidente da NRA, Toyoshi Fuketa, em uma reunião, criticando a empresa por não seguir as melhores práticas científicas na compilação de documentos.


Em fevereiro de 2020, o regulador disse que a Japan Atomic Power havia reescrito os dados analisando uma pesquisa de perfuração conduzida em uma área abaixo das instalações do complexo de Tsuruga sem aprovação.


A maioria das partes alteradas envolveu dados geológicos coletados em pontos que são cruciais para determinar se a falha correndo sob o reator está ativa ou não.


No Japão, propenso a terremotos, é proibida a construção de usinas nucleares ou outras instalações importantes diretamente acima das falhas ativas.


A empresa disse na época que a alteração dos dados não foi intencional e foi feita apenas para refletir uma mudança no método de observação da falha. Mas o regulador não se convenceu, com Fuketa rotulando a explicação da empresa sobre o manuseio dos dados brutos como "absurda".


Ao buscar a aprovação para reiniciar o reator sob regulamentações mais rígidas impostas após o acidente nuclear de Fukushima em 2011, a JAP vem tentando refutar a opinião de especialistas geológicos, publicada em março de 2015, de que a falha está ativa.