1/3

Bach diz que cancelamento das Olimpíadas não deve ser considerado uma opção


JAPÃO - O presidente do COI, Thomas Bach, disse na terça-feira que cancelar as Olimpíadas de Tóquio não era uma opção, apesar da pandemia, e ir em frente com os jogos neste verão foi decidido no interesse dos atletas que se prepararam para os jogos por muitos anos.


Embora Tóquio tenha estado em estado de emergência novamente devido ao aumento de infecções, o chefe do executivo esportivo disse em entrevista online que "não especulará" sobre o que poderia acontecer se a situação da pandemia piorasse drasticamente durante os Jogos Olímpicos, cujo primeiro evento antes da Cerimônia de Abertura, ocorre na noite brasileira desta terça.


"Nós, o COI, nunca abandonaremos os atletas e, com o cancelamento, teríamos perdido toda uma geração. Portanto, um cancelamento para nós não era realmente uma opção", disse Bach ao referir-se à decisão de março no ano passado, para atrasar os jogos devido à crise global de saúde.


Bach disse que cancelar as Olimpíadas e receber dinheiro do seguro era a "maneira mais fácil" na época, mas o COI não escolheu esse caminho e investiu mais para que os jogos acontecessem.


Sem revelar detalhes, Bach disse que a cerimônia de abertura no Estádio Nacional será "muito emocionante" porque será a primeira vez desde a pandemia que "vocês verão o mundo inteiro em um só lugar . "


Ele disse que vai enviar uma "forte mensagem de unidade e solidariedade durante estes tempos difíceis do Japão para o mundo inteiro."


O homem de 67 anos também disse que apoiou a decisão da semana passada de barrar os espectadores de quase todas as instalações olímpicas com o "coração pesado", já que "o princípio mais importante é a segurança para todos" e o princípio de sua organização era endossar o que as "autoridades japonesas consideram apropriado."


Enfatizando que "medidas anti-COVID rígidas", como os testes regulares, foram postas em prática e os atletas do exterior serão separados do público japonês, ele disse que as pessoas no Japão não precisam ter medo da possibilidade de as Olimpíadas colocarem em risco a sua saúde.


"Eles podem ter confiança em todas essas medidas", disse ele.


No entanto, o apoio público para as Olimpíadas permanece baixo no país, onde muitas pessoas estão preocupadas que os jogos possam desencadear um novo surto de infecções causadas pela variante Delta, mais contagiosa.


“Gostaríamos que todos os torcedores do mundo tivessem estádios cheios e gostaríamos que os atletas tivessem todo o incentivo que só os espectadores ao vivo podem oferecer”, disse.


"Infelizmente, eles estão acostumados a ter competições sem espectadores. No entanto, pudemos ver durante este ano desempenhos excepcionais em muitos esportes", disse ele, acrescentando que se tornaram atletas olímpicos porque foram capazes de "enfrentar circunstâncias diferentes".


Ainda assim, ele disse que os organizadores ajudarão os atletas em muitos aspectos a motivá-los ainda mais, revelando que um deles será um "sistema de áudio muito inovador e envolvente" em um estádio que tocará o som das Olimpíadas anteriores.


Questionado sobre quando o entusiasmo aumentará no país anfitrião, Bach disse: "Quando a chama olímpica brilhará intensamente sobre Tóquio".


"É normal e sabemos disso nos Jogos Olímpicos anteriores", disse ele. “Aí começa o esporte e os atletas brilham no palco olímpico”.


Ele disse que planeja visitar as cidades de Sapporo e Fukushima, onde ficam algumas sedes olímpicas, durante sua passagem pelo Japão, além de visitar Hiroshima, que foi devastada por uma bomba atômica lançada pelos EUA na Segunda Guerra Mundial, na sexta-feira para mostrar o compromisso do COI com a paz.


Bach deve visitar Sapporo, em Hokkaido, no dia 7 de agosto, quando será realizada a maratona feminina, enquanto ele enfatiza a importância de fazer uma viagem a Fukushima, no nordeste, onde jogos de softball estão programados. ambos de 21 a 22 de julho, antes da abertura oficial das Olimpíadas.


Os Jogos de Tóquio foram apelidados de "Olimpíadas da Reconstrução" pelos organizadores japoneses em um esforço para mostrar a recuperação da região nordeste que foi atingida por um grande terremoto, tsunami e desastre nuclear há 10 anos.


“Para nós, assim como para os japoneses, é uma mensagem muito importante que haja eventos olímpicos acontecendo em Fukushima e demonstrando a regeneração da cidade e da região”, disse.