1/3

Barcos suspeitos de serem norte-coreanos na deriva japonesa caem em meio a pandemia


JAPÃO - O número de barcos que se acredita serem originários da Coreia do Norte que navegaram em terra nas costas japonesas entre outubro e março do ano passado caiu 90 por cento em relação ao ano anterior, disse a Guarda Costeira do Japão na quinta-feira.


O número desses barcos encontrados no período de seis meses totalizou 13, contra 141 no ano anterior, disse a guarda costeira. Um especialista na situação da Península Coreana disse que se acredita que a queda tenha sido causada pela pandemia do coronavírus.


"Parece que a Coréia do Norte, que deseja manter controles de fronteira rigorosos contra o novo coronavírus, está se abstendo de conduzir operações de pesca ilegal no Mar do Japão", disse Yusuke Fukuyama, professor da Universidade Hokuriku.


Os barcos que se acredita serem da Coreia do Norte operam ilegalmente na área de Yamatotai, que oferece áreas férteis para a pesca de lulas e outras espécies marinhas e está localizada na zona econômica exclusiva do Japão, do verão ao inverno. Eles vendem peixes e mariscos para navios estrangeiros no mar.


A maioria dos suspeitos barcos norte-coreanos é pequena e feita de madeira. Quando naufragam em tufões ou mares agitados, eles se deslocam para as costas japonesas devido aos ventos sazonais do noroeste do outono ao inverno. Houve uma série de casos em que corpos de tripulantes foram encontrados nos barcos.


A Guarda Costeira do Japão contou os barcos que se acredita serem da Coreia do Norte que chegaram à costa japonesa, a julgar pela madeira usada para construí-los e pelas cartas escritas em seus cascos.


Ele contou separadamente segmentos do mesmo casco que flutuaram para a costa em locais diferentes.


De acordo com sua contagem, 219 barcos suspeitos da Coreia do Norte foram encontrados entre outubro de 2018 e março de 2019, antes que o número caísse para 141 no ano seguinte.


Se um navio da Guarda Costeira do Japão avistar um navio estrangeiro operando ilegalmente na ZEE do país, ele emite um aviso e exorta o navio a deixar a área. Se o navio estrangeiro não obedecer, a guarda costeira tomará medidas como descarregar água nele.


Em 2019, a Guarda Costeira do Japão emitiu esse tipo de alerta para mais de 1.300 embarcações que se acredita serem originárias da Coreia do Norte na área de Yamatotai e em torno dela, mas em 2020 ela confirmou nenhum caso de pesca ilegal por essas embarcações.


Enquanto isso, a guarda costeira intensifica o monitoramento da pesca ilegal por barcos chineses. Embora tenha alertado 12 suspeitos de barcos chineses para deixarem a ZEE do Japão em 2019, os alertas foram direcionados a 107 desses barcos em 2020.


"Acredito que a China esteja pescando ativamente em Yamatotai porque parece que o país comprou direitos de pesca da Coreia do Norte", disse Fukuyama.


Um oficial da Guarda Costeira do Japão disse: "Vamos lidar estritamente com a situação em coordenação com os barcos de patrulha da Agência de Pesca."