1/3

Biden diz que espera trabalhar em estreita colaboração com o novo governo


EUA - O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na segunda-feira que buscará trabalhar em estreita colaboração com o novo primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, chamando a parceria entre as duas democracias de um "trunfo crítico" para lidar com os desafios futuros.


O governo Biden vê o Japão como um jogador-chave na estratégia dos EUA para conter a assertividade da China na região, com seu aliado asiático também sendo membro do Quad envolvendo Austrália e Índia - um grupo que pressiona por um Indo-Pacífico "livre e aberto".


"A aliança EUA-Japão é a pedra angular da paz, segurança e prosperidade no Indo-Pacífico e no mundo, e espero trabalhar em estreita colaboração com o primeiro-ministro Kishida para fortalecer nossa cooperação nos próximos meses e anos", disse Biden em uma declaração, parabenizando Kishida por sua eleição pela Dieta.


“A parceria histórica entre nossas duas democracias e nossos dois povos continuará a ser um ativo crítico à medida que trabalhamos juntos para enfrentar os desafios de nosso tempo”, acrescentou.


Biden também expressou apreço pelo avanço da aliança bilateral sob Yoshihide Suga, o predecessor de Kishida.


Suga foi o primeiro líder estrangeiro convidado à Casa Branca para conversas pessoais depois que Biden assumiu o cargo em janeiro.


Em sua cúpula em Washington em abril, Suga confirmou com Biden "a importância da paz e da estabilidade em todo o Estreito de Taiwan" em meio à preocupação com a pressão da China sobre Taiwan, a ilha democrática autogerida que Pequim considera uma província renegada à espera da reunificação pela força se necessário.


Foi a primeira vez em 52 anos que os líderes japoneses e americanos mencionaram Taiwan em uma declaração conjunta.


Em março, Suga também participou do primeiro encontro das lideranças do grupo Quad, realizado de forma virtual. Ele também compareceu à primeira cúpula presencial da entidade em Washington, em setembro, antes de deixar o cargo depois de pouco mais de um ano no cargo.