1/3

Câmara Baixa aprova projetos de lei de exclusão da Rússia do status comercial favorecido


JAPÃO - A câmara baixa do Japão aprovou na quinta-feira projetos de lei que retirarão a Rússia de seu status comercial de "nação mais favorecida" e impedirão que ela negocie em criptomoedas, abrindo caminho para as revisões legislativas para sanções mais duras até o final da atual sessão parlamentar em junho.


O projeto de revisão de uma lei aduaneira, aprovado por maioria na Câmara dos Deputados, elevará as alíquotas das importações da Rússia aos níveis praticados antes do tratamento preferencial.


Por exemplo, a tarifa sobre as importações de salmão aumentará dos atuais 3,5% para 5%, enquanto a de caranguejos passará de 4% para 6%. O petróleo bruto e o gás natural liquefeito não serão afetados, pois não eram tarifários antes mesmo do tratamento favorável.


Como o Japão está aumentando suas sanções contra a Rússia por sua invasão da Ucrânia em sintonia com outras nações do Grupo dos Sete, o governo também está considerando decretos que estipulam que todas as importações do país estarão sujeitas a taxas mais altas até o final de março próximo. ano.


A lei cambial revisada exige que as exchanges de criptomoedas verifiquem se os destinatários das transações estão sujeitos a sanções financeiras.


A revisão visa evitar que as criptomoedas sejam uma brecha para contornar sanções, como a exclusão da Rússia de uma importante rede internacional de pagamentos conhecida como SWIFT.


Os projetos provavelmente serão aprovados pela Câmara dos Conselheiros e promulgados até 15 de junho, quando a sessão parlamentar ordinária se encerrar.


O governo disse na semana passada que o Japão eliminará gradualmente as importações de carvão da Rússia em uma grande mudança para reduzir sua dependência energética do país, à medida que a guerra na Ucrânia se arrasta com um número crescente de vítimas civis relatadas.


O Japão também anunciou um congelamento de ativos contra o Sberbank, o maior banco da Rússia, bem como a proibição de novos investimentos no país.