1/3

Campeãs mundiais em 2011 que atuam no exterior não participarão do revezamento da tocha


JAPÃO - Nahomi Kawasumi, uma estrela da seleção japonesa vencedora da Copa do Mundo de futebol feminino de 2011, confirmou na segunda-feira que não se juntará a seus companheiros de equipe que fizeram história quando eles derem início ao revezamento da tocha dos Jogos Olímpicos de Tóquio no final deste mês.


Membros da seleção Nadeshiko Japão para a Copa do Mundo de 2011 levarão a tocha na primeira etapa doméstica do revezamento, que terá início em 25 de março no centro de treinamento de futebol J-Village, na província de Fukushima, nordeste do Japão.


Mas as dificuldades em fazer planos de viagem durante a pandemia do coronavírus levaram Kawasumi, dos Estados Unidos, bem como Mana Iwabuchi e Saki Kumagai, que atuam na Europa, a recusar a chance de participar.


Em uma postagem no Twitter, Kawasumi, que joga pelo Sky Blue FC de Nova Jersey na Liga Nacional de Futebol Feminino dos Estados Unidos, disse que tomou uma decisão semelhante no ano passado, antes que a pandemia resultasse no adiamento dos jogos por um ano.


"Tomei a decisão porque moro nos Estados Unidos e o problema (do coronavírus) ainda não foi resolvido. Espero que seja resolvido o mais rápido possível e que todos permaneçam saudáveis", escreveu o agressor de 35 anos.


Tanto a equipe vencedora da Copa do Mundo quanto o centro de J-Village foram escolhidos para o início do revezamento por causa de sua conexão com o terremoto de março de 2011 e o tsunami que devastou o nordeste do Japão.


J-Village se tornou uma base de linha de frente para gerenciar a crise nuclear desencadeada pelo terremoto e tsunami, enquanto Nadeshiko Japão elevou o moral do país ao vencer a Copa do Mundo na Alemanha poucos meses após o desastre.


O comitê organizador dos Jogos de Tóquio disse na segunda-feira que a cerimônia de abertura do revezamento da tocha em 25 de março será realizada sem espectadores para ajudar a prevenir a disseminação do coronavírus.