1/3

CEO da Toshiba deixa o cargo em meio a tensões de venda da empresa aos ingleses


JAPÃO - O presidente e CEO da Toshiba, Nobuaki Kurumatani, deixou o cargo na quarta-feira, disse a empresa, como um confronto com acionistas ativistas e uma recente proposta de compra da firma de private equity britânica CVC Capital Partners estão trazendo o conglomerado industrial japonês a um momento potencialmente divisor de águas.


Kurumatani, 63, ex-presidente da unidade da CVC no Japão, se ofereceu para renunciar após ter liderado a reestruturação da empresa desde 2018, disse a Toshiba. Ele não se juntou ao presidente Satoshi Tsunakawa, que o sucedeu, em uma coletiva de imprensa online realizada após uma reunião extraordinária do conselho.


A proposta da CVC de fechar o capital da Toshiba, amplamente vista como uma solicitação de Kurumatani em uma tentativa de evitar a pressão de investidores estrangeiros que pedem uma gestão mais transparente, é contestada por alguns membros do conselho, disseram fontes próximas ao assunto.


Na coletiva de imprensa online, Osamu Nagayama, presidente do conselho da Toshiba, disse que a administração analisará de perto a oferta de compra da CVC após receber um plano formal e mais detalhado, em um negócio que avalia a empresa japonesa em mais de US $ 20 bilhões.


“A proposta inicial da CVC foi muito abrupta e carece de detalhes”, disse Nagayama, acrescentando: “A avaliação não é possível neste momento e algumas coisas requerem consideração cuidadosa”.


A compra da Toshiba exigiria uma análise do governo japonês por motivos de segurança nacional, porque os negócios da Toshiba incluem energia nuclear e equipamentos de defesa.


Kurumatani viu seu apoio dos acionistas diminuir. Na assembleia geral de acionistas em julho, 57,96% apoiaram a decisão da Toshiba de mantê-lo no cargo, ante 99,43% um ano antes, de acordo com a Toshiba.


Ele disse em um comunicado que renunciou porque precisa de algum tempo após ter concluído sua tarefa de reverter a empresa e ajudá-la a retornar à Primeira Seção da Bolsa de Valores de Tóquio em janeiro, após o rebaixamento para o nível inferior em 2017, após perdas massivas com a escrita fora das empresas de energia nuclear.


Ele não fez nenhuma referência ao plano de compra da CVC.


“Gostaria de trabalhar na construção de confiança com os acionistas e outras partes interessadas”, disse Tsunakawa, que está encarregado das negociações com os acionistas, acrescentando que basicamente manterá a estratégia de negócios atual da empresa centrada na expansão dos negócios de infraestrutura.


Tsunakawa atuou como presidente da Toshiba entre 2016 e 2018, liderando medidas de recuperação, incluindo o levantamento de 600 bilhões de ienes ($ 5,5 bilhões) em capital novo para evitar o fechamento da bolsa de Tóquio.


A arrecadação de fundos posteriormente aumentou o investimento de fundos de ativistas.


Tsunakawa manterá a posição de presidente do conselho que assumiu em 2020, disse a Toshiba.


Quanto ao adiamento da oferta pública inicial da Kioxia Holdings do grupo Toshiba, fabricante de chips anteriormente conhecido como Toshiba Memory Holdings, a Toshiba ainda planeja usar a maior parte dos lucros esperados para aumentar o retorno aos acionistas, disse Tsunakawa.


O chefe da operação japonesa do fundo de private equity americano Bain Capital, acionista majoritário da Kioxia, disse em novembro que o IPO planejado foi adiado devido à incerteza em torno da indústria de semicondutores na época. A Toshiba possui uma participação de 40,64 por cento na Kioxia.


No mês passado, a Toshiba realizou uma reunião extraordinária de acionistas a pedido de investidores ativistas estrangeiros. Uma proposta da Effissimo Capital Management, sediada em Cingapura foi aprovada, uma rara vitória para o ativismo dos acionistas no Japão corporativo.


O fundo pediu uma nova investigação sobre se a assembleia geral de acionistas da Toshiba no ano passado foi realizada de forma justa, já que o provedor de serviços aos acionistas Sumitomo Mitsui Trust Bank omitiu por engano alguns votos enviados.


A Toshiba passou anos tentando melhorar sua governança e passou por uma reestruturação desde um escândalo contábil em 2015, seguido pela falência da Westinghouse Electric, subsidiária da usina nuclear dos Estados Unidos, dois anos depois.