1/3

Chefes de defesa do Japão e Vietnã se opõem a propostas para mudar o status quo


JAPÃO - Os ministros da Defesa do Japão e do Vietnã concordaram na terça-feira em "se opor fortemente" às ​​tentativas unilaterais de mudar o status quo em águas regionais, em uma referência velada à expansão marítima da China.


O ministro da Defesa, Nobuo Kishi, e vietnamita Phan Van Giang discutiram em Tóquio os recentes desenvolvimentos nos mares do Sul e Leste da China, confirmando que os dois países trabalharão juntos para manter a ordem internacional baseada em regras existentes, de acordo com o Ministério da Defesa japonês.


Descrevendo essa cooperação entre as autoridades de defesa japonesas e vietnamitas como tendo entrado em um "novo nível", os dois ministros também testemunharam a assinatura de dois acordos sobre segurança cibernética e medicina militar.


"O Japão e o Vietnã concordaram em contribuir mais ativamente para a paz e estabilidade na região e na comunidade internacional, utilizando as forças e recursos uns dos outros", disse Kishi a repórteres após a reunião.


As novas áreas de cooperação foram estabelecidas depois que eles fecharam um acordo em setembro permitindo a exportação de equipamentos e tecnologia de defesa de fabricação japonesa para o Vietnã, que está envolvido em uma disputa territorial com a China no Mar do Sul da China.


Segundo os dois acordos, o Japão fortalecerá seu apoio ao Vietnã no tratamento de ataques cibernéticos e também de problemas de saúde ao servir em submarinos e aviões, como por meio do envio de especialistas para fornecer know-how, segundo funcionários do ministério.


No Mar da China Oriental, as tensões sobre as ilhas desabitadas de Senkaku, controladas pelo Japão e reivindicadas pela China, não deram sinais de diminuir.


A reunião ocorreu um dia antes das conversas do primeiro-ministro Fumio Kishida com o primeiro-ministro vietnamita Pham Minh Chinh, o primeiro líder estrangeiro hospedado por Kishida desde que assumiu o cargo no mês passado.


Entre outras questões, os ministros da Defesa reafirmaram que Japão e Vietnã vão aumentar a cooperação em operações de paz.


Enquanto o Vietnã se prepara para ingressar em uma missão da ONU em Abyei, uma região contestada entre o Sudão e o Sudão do Sul, Kishi disse que o pessoal da Força de Autodefesa Terrestre será enviado ao Vietnã para compartilhar a experiência e expertise do Japão relacionadas às operações de manutenção da paz.


Ippeita Nishida, pesquisador sênior da Sasakawa Peace Foundation, disse que o aumento da cooperação entre o Japão e o Vietnã terá um significado mais amplo, "tendo em mente as operações militares mais ativas da China no Sudeste Asiático".


Nishida, um especialista em diplomacia de defesa do Japão, disse esperar que ela contribua para aumentar a cooperação em defesa com outros membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático, bem como com os Estados Unidos e a Austrália.