1/3

China volta a fazer exercícios militares próximo as Ilhas Senkaku, Japão reforça vigilância no mar


OKINAWA - O Japão está de olho nas atividades da marinha chinesa em águas ao redor do país depois que caças e helicópteros foram vistos decolando e pousando em um porta-aviões chinês no sudoeste de Okinawa, disse o principal porta-voz do governo na segunda-feira.


As atividades podem fazer parte dos esforços da China para reforçar suas capacidades operacionais aéreas e marítimas conjuntas no Pacífico, e o Japão continuará a tomar cuidado com a situação e manter a vigilância no mar e no ar, disse o secretário-chefe do Gabinete Hirokazu Matsuno em uma coletiva de imprensa.


A flotilha da marinha chinesa do porta-aviões Liaoning, destruidores de mísseis e um navio de suprimentos navegou pelas águas entre a principal ilha da prefeitura de Okinawa e a Ilha Miyako na semana passada. A Força Marítima de Autodefesa do Japão enviou seu porta-helicópteros Izumo para vigilância.


O porta-aviões estava em águas a cerca de 160 quilômetros ao sul da ilha de Ishigaki, na província, no domingo, informou o Ministério da Defesa, acrescentando que caças e helicópteros foram vistos decolando e pousando no Liaoning pelo sexto dia consecutivo.


"O governo continuará a observar os movimentos dos militares chineses em águas ao redor do Japão", disse Matsuno.


A China tem feito movimentos assertivos no mar em uma aparente demonstração de sua força, mantendo as autoridades japonesas em alerta contra as tentativas unilaterais de mudar o status quo à força.


O Japão expressou preocupação com as ramificações da invasão russa da Ucrânia para a região do Indo-Pacífico.


Em um movimento separado, o Japão apresentou na segunda-feira um protesto com a China sobre a intrusão no início do dia de dois navios da Guarda Costeira da China em águas territoriais japonesas ao redor das Ilhas Senkaku no Mar da China Oriental. As ilhotas desabitadas são controladas pelo Japão, mas reivindicadas pela China, que as chama de Diaoyu.


"É totalmente lamentável e intolerável que os navios da guarda costeira da China tenham entrado em águas territoriais ao redor das Ilhas Senkaku", disse Matsuno.


"Tais atividades violam o direito internacional em primeiro lugar. Apresentamos um protesto por meio de canais diplomáticos e pedimos fortemente que eles deixassem as águas territoriais rapidamente", acrescentou.