1/3

Cidadãos esperam dias melhores com a aproximação das eleições gerais


JAPÃO - Pessoas atingidas financeiramente pela pandemia disseram que esperam políticas governamentais que melhorem as condições de trabalho e tragam os negócios de volta ao normal.


Os profissionais de saúde e idosos foram atingidos de forma particularmente dura, muitas vezes enfrentando jornadas cada vez mais longas e cargas de trabalho aumentadas com baixos salários.


Noriko Doi, uma cuidadora de 53 anos em Tóquio, disse que seus pacientes adoram conversar quando ela os visita em casa e expressou preocupação por eles não estarem saindo o suficiente.


"Este é um trabalho em que a interação humana é fundamental. Você não pode substituir isso por máquinas. Queremos ser tratados melhor", disse ela.


Yoshihiro Shimaguchi, que dirige uma loja de presentes de Sapporo, em Hokkaido, pediu medidas para reviver as economias regionais que despencaram em meio à queda no turismo.


O empresário de 58 anos disse que sua loja não se beneficiou do "Go To Travel", implementado no ano passado para promover o turismo doméstico por meio de subsídios do governo, porque aconteceu em meio a um surto de infecções em Hokkaido e durante a baixa temporada turística.


"Os negócios ainda não voltaram ao normal. É difícil", disse ele.


O setor de serviços de alimentação também foi duramente atingido, já que repetidos estados de emergência forçaram os restaurantes a fechar mais cedo e parar de servir bebidas alcoólicas.


Yoshiki Nishino, um gerente de 31 anos de um pub "izakaya" em Toyama, lamentou a mudança para comer em casa provocada pela pandemia.


“Gostaria de ver políticas que permitissem às pessoas comer fora com segurança e sem ter que se preocupar com o coronavírus”, disse ele.


Kazunori Miwa, que dirige um restaurante em Nagoya, região central do Japão, expressou dúvidas sobre se as afirmações do governo de que os restaurantes são focos de infecção são verdadeiras.


"É necessário um estudo sobre o motivo pelo qual os casos de COVID-19 diminuíram", disse o homem de 54 anos.


Os alunos que ingressaram em universidades dentro e ao redor de Tóquio passaram grande parte da pandemia fazendo aulas online devido aos estados de emergência, dando-lhes poucas oportunidades de consultar professores ou encontrar amigos pessoalmente.


"Finalmente me sinto como um estudante universitário", disse Yuma Yoshida, que está em seu segundo ano na Universidade Keio e se matriculou na casa de sua família em Aomori, antes que as aulas presenciais fossem retomadas este mês.


O jovem de 19 anos, disse que a educação é a base do país e que vai acompanhar as opiniões dos candidatos sobre o assunto.