1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Com eleição do novo presidente, Japão planeja diálogo de alto nível com a Coreia do Sul


JAPÃO - O governo japonês planeja um diálogo de alto nível com o novo presidente sul-coreano Yoon Suk Yeol, com o presidente eleito conservador visto como disposto a melhorar os laços bilaterais.


O diálogo de alto nível não foi realizado entre os dois países por um tempo, pois a atual administração do presidente liberal Moon Jae In entrou em conflito com o Japão sobre questões decorrentes do domínio colonial do Japão na Península Coreana de 1910 a 1945.


O governo do primeiro-ministro Fumio Kishida espera fortalecer a cooperação com a Coreia do Sul sob o novo presidente e forjar uma coordenação mais estreita com os Estados Unidos e a Coreia do Sul sobre as questões nucleares e de mísseis da Coreia do Norte, disse a fonte.


O foco imediato é em quem deve ser enviado para a cerimônia inaugural de Yoon em 10 de maio. Seul está esperando um alto funcionário do governo Kishida para participar do evento.


Espera-se que Tóquio comece a organizar seu representante em breve enquanto observa de perto a postura de Yoon em relação ao Japão.


Desde que foi eleito em uma disputa presidencial apertada em março, Yoon pediu uma abordagem orientada para o futuro dos laços bilaterais e disse isso durante uma reunião com o embaixador japonês na Coreia do Sul Koichi Aiboshi em 28 de março.


"Coreia do Sul e Japão são parceiros que compartilham muitas tarefas a serem enfrentadas, como segurança e prosperidade econômica e, portanto, para superar as atuais relações espinhosas, é necessário formar uma parceria orientada para o futuro com base na perspectiva correta da história", Yoon disse ao embaixador, segundo sua porta-voz.


As autoridades japonesas parecem dispostas a se envolver com o novo governo Yoon.


"Ao contrário do governo Moon, podemos dar as boas-vindas ao próximo governo", disse um alto funcionário do Ministério das Relações Exteriores. "Queremos fazer contato no momento certo."


Um alto funcionário do governo disse: "O que está claro é que ambos os lados estão dispostos a melhorar os laços".


Em uma entrevista coletiva na sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores Yoshimasa Hayashi ecoou um sentimento semelhante, dizendo: "Vamos nos comunicar com o novo governo em um momento e nível apropriados".


Estão em andamento arranjos para que o presidente dos EUA, Joe Biden, visite a Coreia do Sul antes de visitar o Japão no final de maio, de acordo com uma fonte diplomática.


Se Biden vier ao Japão depois de se encontrar com Yoon, o presidente dos EUA pode levantar questões nipo-coreanas em suas conversas com Kishida. Nesse caso, o premiê japonês pode transmitir a Biden a intenção de trabalhar para melhorar os laços com Seul.


Em relação a quem pode ser despachado para Seul para a posse presidencial de Yoon, Hayashi disse a repórteres na sexta-feira que ninguém foi selecionado definitivamente.


Em 2008, o então primeiro-ministro Yasuo Fukuda participou da cerimônia de posse do presidente Lee Myung Bak, enquanto em 2013, o ex-primeiro-ministro Taro Aso, que na época atuava como vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, participou da cerimônia do presidente Park Geun Hye.


As relações entre o Japão e a Coreia do Sul continuam azedadas devido a disputas históricas, incluindo compensação para mulheres coagidas a trabalhar em bordéis militares e ex-trabalhadores de guerra.