1/3

Sagamihara descarta local do massacre de 2016 para revezamento da tocha paralímpica


JAPÃO - A cidade de Sagamihara, em Yokohama, vai descartar seu plano de realizar um evento paraolímpico de acendimento de chamas em um centro de saúde para pessoas com deficiência mental, onde um dos piores assassinatos em massa do Japão ocorreu em julho de 2016, disseram fontes do governo local na quinta-feira.


A decisão foi tomada depois que alguns parentes das vítimas dos esfaqueamentos em Tsukui Yamayuri En, onde 19 moradores foram mortos e 26 feridos por um ex-funcionário do estabelecimento, bem como grupos de apoio, manifestaram oposição ao planejado acendimento da chama em o local do incidente.


Embora a cidade tenha informado o governo da província e o comitê organizador das Paraolimpíadas de Tóquio sobre seu plano, ela não consultou as famílias enlutadas.


"Este é um lugar para o repouso das almas. É totalmente inaceitável usar este lugar para um evento de festival", disse Takashi Ono, cujo filho Kazuya ficou gravemente ferido no tumulto.


O prefeito Kentaro Motomura anunciará formalmente a retirada do plano em uma coletiva de imprensa na sexta-feira, disseram as fontes.


No dia 31 de março, a cidade anunciou que a chama seria acesa no centro de atendimento no dia 15 de agosto para simbolizar seu desejo de eliminar todas as formas de discriminação alinhadas aos valores do movimento paralímpico.


Satoshi Uematsu foi condenado à morte em março do ano passado pela violência na instalação, que está em construção após a demolição do prédio onde ocorreu o incidente. Os moradores devem começar a se mudar para o novo prédio a partir de agosto.


O revezamento da tocha paraolímpica de Tóquio começará em 12 de agosto após a conclusão dos Jogos Olímpicos de 23 de julho a 8 de agosto.


Festivais de iluminação com chamas acontecerão em todo o Japão antes do acendimento do caldeirão paraolímpico na cerimônia de abertura dos jogos em 24 de agosto no Estádio Nacional de Tóquio.