1/3

Comitê Organizador esclarece sobre monitoramento por GPS a estrangeiros


JAPÃO - O plano do comitê organizador das Olimpíadas de usar o GPS como uma das medidas contra o coronavirus não tem como objetivo monitorar o paradeiro em tempo real de pessoas do exterior, mas de rastrear e confirmar seus movimentos retroativamente se houver algum problema, disse seu CEO na quarta-feira.


Toshiro Muto disse a repórteres que todos os que entrarem no Japão vindos do exterior, incluindo atletas, oficiais e jornalistas, serão obrigados a enviar planos para seus primeiros 14 dias no país e ligar a função GPS em seus smartphones.


"Se tivermos que monitorar os movimentos o tempo todo, isso exigiria muito trabalho e quando há problemas, acho importante ter a função GPS para permitir que os visitantes tenham certeza de que não fizeram nada de errado", disse Muto .


Também disse que o uso do sistema, já acordado por dirigentes olímpicos de todo o mundo, permitirá aos organizadores confirmarem depois que os visitantes seguiram os planos que apresentaram.


Em entrevista coletiva após uma reunião virtual da diretoria executiva do COI, Muto disse ainda que os organizadores querem decidir até o final deste mês uma política básica para o consumo de álcool na vila dos atletas.


Até agora, o Japão reduziu pela metade o número de oficiais olímpicos, funcionários de apoio e membros da imprensa do exterior, dos 180 mil inicialmente planejados para garantir a segurança dos jogos.


Com quase 40 dias até a cerimônia de abertura olímpica, Tóquio permanece em estado de emergência para reduzir o número de infecções por coronavírus.


Este mês, os organizadores devem chegar a uma conclusão sobre se permitirão que as pessoas no Japão entrem nos locais para assistir às competições, após decidirem em março realizar os jogos sem espectadores do exterior.