1/3

Conquista prateada da seleção feminina de basquete vira destaque inédito no esporte


JAPÃO - A seleção japonesa de basquete feminino não conseguiu a medalha de ouro ao perder por 15 pontos de diferença, porém as meninas foram muito aplaudidas pelo árduo trabalho feito durante a olimpíada dentro da Super Arena de Saitama, com uma campanha inédita, terminando em segundo lugar no geral.


O resultado não conseguiu tirar o brilho de um torneio histórico para a equipe do técnico Tom Hovasse, que mantém suas cabeças erguidas depois de ganhar a primeira medalha olímpica de basquete no Japão.


A americana Brittney Griner marcou 30 pontos, se tornando uma dor de cabeça para as atletas japonesas, apesar de um fato inusitado e humilhante aconteceu para a cestinha estadunidense.


Mako Motohashi, uma jogadora de apenas 1,62 m conseguiu driblar a muralha americana e fazer uma cesta de dois pontos, virando a sensação do momento. A capitã Maki Takada foi a cestinha nipônica com 17 pontos.


A imponente defesa interna dos americanos forçou o Japão a contar com pontos de fora do garrafão desde o início. A pequena Motohashi deu uma faísca ofensiva imediata no banco de reservas, já que a unidade de reserva do Japão os manteve em contato no primeiro tempo.


Com isto a seleção japonesa fatura mais uma prata nas olimpíadas, somando agora 14 pratas, juntamente com uma medalha prateada conquistada simultaneamente no ciclismo.