1/3

Coréia do Norte diz que os mísseis lançados eram guiados táticos


CORÉIA DO NORTE - A mídia estatal norte-coreana disse na terça-feira que o país testou mísseis guiados táticos no dia anterior que atingiram com precisão um alvo marítimo, confirmando o quarto teste de mísseis de Pyongyang desde o início do ano.


O relatório da Agência Central de Notícias da Coreia veio um dia depois que a Coréia do Sul e o Japão disseram que o país vizinho lançou dois supostos mísseis balísticos de curto alcance.


Os projéteis foram disparados na direção leste da área onde o aeroporto de Sunan, em Pyongyang, está localizado pouco antes das 9h de segunda-feira, disse o Estado-Maior Conjunto da Coréia do Sul, acrescentando que eles viajaram cerca de 380 quilômetros e atingiram uma altitude de cerca de 42 quilômetros.


A KCNA publicou fotos dos mísseis lançados na segunda-feira, considerados uma versão semelhante ou atualizada do KN-24 testado em março de 2020, um novo tipo de míssil balístico de curto alcance conhecido por voar em uma trajetória irregular.


O Ministério da Defesa do Japão disse que os mísseis usavam combustível sólido em vez de líquido, reduzindo o tempo necessário para os preparativos de pré-lançamento.


A Coréia do Norte desenvolveu recentemente mísseis difíceis de interceptar com tecnologias de ponta. O Japão e a Coréia do Sul têm sido cautelosos com a possibilidade de que o Norte possa montar uma ogiva nuclear em tais mísseis.


"Os dois mísseis guiados táticos lançados na área ocidental da RPDC atingiram precisamente um alvo insular" no Mar do Japão, disse a KCNA, referindo-se à sigla da República Popular Democrática da Coreia, nome oficial da Coreia do Norte.


O objetivo do último teste foi "avaliar seletivamente os mísseis guiados táticos sendo produzidos e implantados e verificar a precisão do sistema de armas", disse.


A agência de notícias sul-coreana Yonhap citou na segunda-feira uma fonte informada dizendo que os mísseis viajaram a uma velocidade máxima de Mach 5, ou cinco vezes a velocidade do som.


O líder norte-coreano Kim Jong-un, que muitas vezes esteve presente para testes das capacidades de mísseis do país, não teria comparecido ao teste de segunda-feira.


Pyongyang testou o que diz serem mísseis hipersônicos recém-desenvolvidos nos dias 5 e 11 de janeiro, enquanto conduzia um exercício de tiro para um regimento de mísseis ferroviários na sexta-feira passada.


O Ministério da Defesa japonês disse que a Coréia do Norte disparou pelo menos 100 projéteis desde que Kim se tornou líder supremo após a morte de seu pai e antecessor, Kim Jong-il, em dezembro de 2011.


Durante conversas telefônicas na segunda-feira, altos funcionários dos Estados Unidos, Coréia do Sul e Japão encarregados de questões norte-coreanas expressaram "fortes preocupações" com os programas de desenvolvimento nuclear e de mísseis de Pyongyang, segundo o Ministério das Relações Exteriores do Japão.


O secretário-chefe do Gabinete do Japão, Hirokazu Matsuno, condenou os lançamentos de mísseis, dizendo em uma entrevista coletiva na terça-feira que eles violaram as resoluções do Conselho de Segurança da ONU que proíbem Pyongyang de empregar tecnologia de mísseis balísticos.