1/3

Coréia do Sul fecha o dia com mais de 4000 casos de COVID-19


CORÉIA DO SUL - A Coreia do Sul relatou mais de 4000 novas infecções por coronavírus pela primeira vez na quarta-feira, aprofundando as preocupações sobre as regras de distanciamento social recentemente flexibilizadas.


A Agência de Prevenção e Controle de Doenças da Coreia disse que 4116 pessoas recentemente testadas positivas no dia anterior, quebrando o recorde diário anterior de 3292 relatado na quinta-feira passada.


O número de pacientes gravemente enfermos também atingiu um recorde histórico de 586, levantando preocupações sobre a falta de leitos hospitalares, especialmente na área metropolitana de Seul.


O primeiro-ministro Kim Boo Kyum disse em uma reunião do governo que o surto é "pior do que o projetado", aludindo à necessidade de considerar invocar um "plano de emergência" para conter a disseminação do vírus na área metropolitana.


O governo começou a implementar sua política de "conviver com o COVID-19" neste mês, incluindo o levantamento das restrições ao horário de funcionamento dos restaurantes e permitindo reuniões privadas maiores.


Mas a medida do governo também foi seguida por avisos das autoridades de saúde de que aumentos imediatos seriam inevitáveis ​​devido ao aumento da atividade.


Quase 80% dos sul-coreanos foram totalmente vacinados. Boa parte das pessoas com 60 anos ou mais que foram infectadas nas últimas duas semanas foram vacinadas, disse Kim na quarta-feira.


O primeiro-ministro indicou que, como a eficácia da vacina parece estar diminuindo rapidamente, o governo trabalharia mais rapidamente para dar injeções de reforço aos elegíveis.