1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Criança morre em casa após passar 11 horas sozinha em Tondabayashi


OSAKA - Uma menina de apenas 2 anos morreu após ser deixada sozinha em casa por cerca de 11 horas na cidade de Tondabayashi, em Osaka. A causa da morte, segundo a polícia, foi por insolação devido ao forte calor que assola o Japão desde os primeiros dias do verão.


A polícia municipal de Osaka prendeu Mayumi Ono, de 46 anos, junto com seu marido, Takanori Momoda, de 50 anos, na quinta, dia 30.


Eles são acusados de negligencia, por ter deixado sua neta, Yuha Ono, sozinha em casa por 11 horas em seu apartamento em Tondabayashi, província de Osaka. No Brasil, é considerado crime de abandono de incapaz, previsto no artigo 133 do código penal.


A menina morreu em 29 de junho, e a polícia anunciou na noite do dia seguinte que a causa da morte foi por insolação. A temperatura na cidade às 14h50 do dia 29 de junho era de 34,5 graus.


De acordo com a polícia, Ono, desempregada, e Momoda, trabalhador autônomo, saíram de casa por volta das 5 da manhã. Eles deixaram Yuha em um cercadinho na sala de estar de sua casa, que fica no terceiro andar de um conjunto habitacional de apartamentos.


Yuha foi deixada sozinha até por volta das 16h daquele dia. Os dois admitiram as acusações em interrogatório. Os dois adotaram Yuha de seus pais e a estavam criando, segundo a polícia.


De acordo com fontes, os dois disseram à polícia: "Fomos ao Universal Studios Japan", um parque de diversões popular na cidade de Osaka.


"Saímos sozinhos em várias ocasiões", disse Momoda aos investigadores. "Temos estado sob muito estresse da paternidade."


Com base na autópsia, Yuha parecia ter morrido por volta do meio-dia de 29 de junho, de acordo com a polícia. Ela estava sem comer há mais de 12 horas.


Yuha tinha vivido com o casal, junto com seus tios, o quarto filho de Ono, que tem 15 anos, e seu quinto filho, que tem 5 anos. A menina estava sozinha em casa desde por volta das 7h40 de 29 de junho.


Quando o filho de 15 anos, voltou para casa pouco depois das 16h, encontrou Yuha deitada em seu cercado e descobriu que ela tinha vomitado sangue.


Momoda, depois de receber a ligação, chamou uma ambulância por volta das 17h20 e disse: "Uma garota não está respirando, e ela está dura."


A polícia disse que Yuha não se feriu. A menina foi encontrada no apartamento de quatro quartos em um quarto do tamanho de oito tapetes de tatame, que tinham um ar condicionado e um ventilador.


O garoto de 15 anos disse à polícia que o ar condicionado e o ventilador "estavam ligados quando cheguei em casa".


Quando a polícia chegou ao local e verificou o ar condicionado, a temperatura estava fixada em 28 graus.


O cercadinho tinha 90 centímetros de comprimento, 120 cm de largura e 88 cm de altura.


Para quem não sabe, o cercadinho é um tipo de berço que serve para a criança brincar e descansar durante o dia enquanto os pais estão por perto fazendo outras atividades, o que não foi o caso deles.


Com base em sua estrutura, a polícia acredita que foi difícil para uma de 2 anos sair dela.


Não havia comida ou bebida por perto da menina, segundo a polícia, e nenhum sólido foi encontrado em seu estômago e a polícia suspeita que o casal a negligenciava a criança com frequência.


O governo da cidade realizou uma coletiva de imprensa em 30 de junho e anunciou que Yuha foi considerada uma "criança que precisa de proteção" com base na Lei de Bem-Estar Infantil e sob a guarda de funcionários desde outubro de 2020.


Ono costumava consultar a cidade sobre paternidade, disse a cidade. No entanto, os funcionários da cidade nunca visitaram sua casa.


A polícia disse que Yuha sofreu abuso psicológico quando presenciou uma cena de violência doméstica, ao ver seu pai espancar a sua mãe em janeiro do ano retrasado (2020).


Por conta dos problemas familiares, Yuha viveu separadamente de seus pais.


A cidade disse que inicialmente cuidava de Yuha em cooperação com uma creche que ela frequentava.


Mas em junho de 2021, Yuha deixou a creche porque era difícil para Ono pegar e deixar a criança devido ao seu trabalho.


Em dezembro do mesmo ano, a cidade reduziu o nível de risco para a criança de "precisar de proteção" para "precisar de apoio", o que significa que há sinais de abuso.


Em 15 de junho deste ano, Yuha recebeu um check-up e Ono se programava para visitar uma creche em 30 de junho.


As autoridades da cidade disseram durante o check-up que não encontraram nenhum sinal de desnutrição notável ou insuficiência de crescimento.