TSJ MN_edited.png

1/3

Das 27 medalhas de ouro conquistadas, 14 são femininas


JAPÃO - O Japão ganhou medalhas de ouro em 14 eventos femininos, 12 masculinos e um evento misto, e do total de 58 medalhas, eventos exclusivamente femininos resultaram em 30 pódios.


Esta é uma grande mudança para o Japão em comparação com os jogos anteriores e comovente considerando o que aconteceu à frente do comitê organizador olímpico.


Desde 2004, o Japão não viu mais do que 48% de suas medalhas olímpicas conquistadas por atletas femininas em um único jogo e, no Rio de Janeiro, em 2016, o percentual caiu para 43,9%, o menor do período, de acordo com a Gracenote Sports.


Em comparação, os Estados Unidos e a China, as únicas duas nações a terminar acima do Japão no quadro de medalhas dos Jogos de Tóquio, tiveram mais de 50% das medalhas vindas de mulheres no Brasil, com a China liderando com 58,6%.


Essa tendência continuou em Tóquio, pelo menos com medalhas de ouro. Vinte e duas das 38 medalhas de ouro da China, ou quase 58%, foram conquistadas por mulheres e para os Estados Unidos o número é 23 de 39.


O Japão desenvolveu um forte contingente de candidatas a medalhas femininas em seus jogos em casa, atletas como a tetracampeã do Grand Slam de tênis Naomi Osaka e a terceira colocada no ranking mundial de badminton Nozomi Okuhara, nenhum dos dois se saiu bem, mas muitos outros sim.


A nadadora Yui Ohashi se tornou a primeira atleta olímpica de verão do Japão a ganhar um par de medalhas de ouro nos mesmos jogos, enquanto o contingente de judô feminino do Japão contribuiu com quatro, um a menos que o máximo em um único jogo.


As jogadoras de softball também contribuíram, enquanto Mima Ito, do tênis de mesa, faturou a dourada em duplas mistas. As skatistas Sakura Yosozumi e Momiji Nishiya fizeram história como as primeiras mulheres a ganhar títulos olímpicos em suas modalidades.


E apesar do presidente do Comitê Olímpico do Japão, Yasuhiro Yamashita, desistir da meta de sua organização de 30 medalhas de ouro em Tóquio devido à incerteza do coronavírus, o total provou ser realista.


As oportunidades de medalha para homens e mulheres eram quase iguais nos Jogos de Tóquio, uma conquista muito elogiada em 2021.