1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Denny Tamaki pede à Kishida para descartar plano de mudança de base militar americana em Okinawa


OKINAWA - O governador de Okinawa, Denny Tamaki, manteve conversações na terça-feira com o primeiro-ministro Fumio Kishida, instando-o a descartar um plano para realocar uma base aérea dos EUA dentro da prefeitura do sul, dias antes do 50º aniversário de sua reversão ao Japão.


O governador entregou ao premiê um conjunto de propostas no gabinete, que também disse que um pacto de décadas definindo os direitos das forças americanas e seu pessoal no Japão deve ser revisto.


Antes do aniversário no domingo, Tamaki viajou para Tóquio e pediu ao governo central que "explorasse maneiras de resolver o problema através do diálogo", disse ele a repórteres após a reunião.


Ele citou Kishida dizendo que o governo continuará a fazer esforços para aliviar o fardo da prefeitura okinawana de hospedar bases militares dos EUA, prometendo "levar a sério os sentimentos (das pessoas locais) e ler as propostas".


Kishida também disse que "fará esforços" para melhorar a renda média per capita da província, que permanece em cerca de 70% da média nacional, de acordo com o governador.


Mas a reunião durou apenas cerca de 15 minutos, sinalizando a resposta não entusiasmada do governo central a Tamaki, conhecido como um firme opositor do plano de realocação.


O secretário-chefe do Gabinete, Hirokazu Matsuno, que participou da reunião não divulgada, reafirmou durante uma coletiva de imprensa regular na terça-feira que o plano existente é "a única solução".


Matsuno também mostrou relutância em alterar o Japão-EUA. Acordo de Status de Forças.


Os governos japonês e americano concordaram em mudar a base militar da Estação Aérea Futenma do Corpo de Fuzileiros Navais de uma área residencial lotada de Ginowan para a zona costeira menos populosa de Henoko.


Mas o plano há muito parado encontrou forte oposição da maioria dos residentes de Okinawa que querem que a base seja transferida para fora da prefeitura, que já abriga a maior parte das instalações militares dos EUA no Japão.


Em um referendo da prefeitura em 2019, mais de 70% dos eleitores rejeitaram o plano, com alguns deles também preocupados com o impacto do trabalho de recuperação de terras para a realocação do meio ambiente fora de Henoko, abundando pela vida marinha, embora o resultado não tenha sido vinculativo ao governo central.


A ideia de realocação remonta a um Japão-EUA de 1996, em um acordo sobre o retorno da terra usada pela base de Futenma, que foi atingida em meio à indignação pública sobre o estupro coletivo de uma estudante de 12 anos em Okinawa por três militares americanos.


De acordo com o governo da prefeitura, Okinawa abriga 70,3% das terras ocupadas por bases militares dos EUA no Japão, contra 58,8% em 1972, quando foi devolvida ao Japão do controle dos EUA.


As propostas atualizadas divulgadas no sábado pelo governo da prefeitura também pediram uma revisão drástica do acordo nipo-americano.


Muitos residentes consideram o acordo de 1960 excessivamente protetor dos militares dos EUA e dos trabalhadores da base civil se eles estiverem envolvidos em atividades ilegais, diante de seus repetidos crimes e acidentes.


Os novos documentos foram elaborados com base nas propostas compiladas pelo governo em 1971 que pediam a criação de uma ilha pacífica sem bases militares.


Tamaki também entregou as propostas aos presidentes das câmaras superior e baixa do parlamento japonês, bem como à Embaixada dos EUA em Tóquio.