1/3

Dirigentes e mais 9 pessoas da Mizuho aceitam cortes salariais temporários


JAPÃO - O Grupo Mizuho disse na terça-feira que o presidente, Tatsufumi Sakai, e 10 outros executivos aceitarão cortes salariais por causa de uma série de falhas de sistema que atingiram o banco no início deste ano, incluindo muitos de seus caixas eletrônicos.


A medida foi anunciada depois que um painel terceirizado concluiu no início do dia que as falhas se deviam a uma operação e gerenciamento inadequados, e não a defeitos do sistema.


"Levamos as críticas severas a sério", disse Sakai em uma entrevista coletiva ao se desculpar com as pessoas afetadas pelas falhas do sistema. Ele terá sua remuneração reduzida à metade por seis meses, enquanto o presidente, Koji Fujiwara, receberá um corte de 50% cento no pagamento por quatro meses.


Satoshi Ishii, vice-presidente do banco e chefe dos sistemas e tecnologia da informação do grupo financeiro, terá sua remuneração reduzida em 40% por quatro meses. Os outros oito executivos aceitarão cortes salariais de 10 a 20% durante quatro meses.


Quatro problemas de sistema ocorreram em cerca de duas semanas a partir de 28 de fevereiro, suspendendo temporariamente mais de 4.300, ou cerca de 80%, dos caixas eletrônicos da empresa operando em todo o país e deixando mais de 5.000 cartões bancários e cadernetas de banco dentro deles.


Questionado sobre a possibilidade de demissão dos executivos, Sakai negou que haveria mudança de liderança, por enquanto, afirmando que o grupo vai focar em medidas para evitar uma recorrência.


O pai de um dos três principais bancos comerciais do Japão disse que vai criar um painel para implementar prontamente medidas preventivas, como realizar exercícios contra falha do sistema e melhorar o ambiente comunicativo no grupo, abolindo alguns cargos seniores.


Sakai também disse que a Mizuho recrutará executivos da IBM Japan para supervisionar o gerenciamento de sistemas.