1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Divisão de opiniões de países sobre a Rússia faz G-20 desistir de emitir declaração conjunta


INDONÉSIA - Os chefes de finanças do G-20 decidiram não emitir uma declaração conjunta após sua reunião em meio a conflitos sobre a participação da Rússia no evento após a invasão da Ucrânia, disseram fontes familiarizadas com o assunto na segunda-feira.


Os ministros das Finanças da cúpula e os presidentes dos bancos centrais estão considerando que a Indonésia, presidente rotativa do grupo neste ano, divulgue os resultados das discussões na reunião em Washington, disseram as fontes.


Em resposta à agressão de Moscou, o presidente americano, Joe Biden, disse acreditar que a Rússia deveria ser removida do G-20. Alguns outros membros também expressaram preocupações sobre a participação do país no quadro.


Por outro lado, Brasil, Índia, China e África do Sul, que junto com a Rússia formam o fórum dos BRICS, têm respeitado a presença de Moscou no G-20. O chanceler brasileiro, Carlos Franca, disse que seu país se opõe claramente à exclusão da Rússia do grupo.


Do Japão, o ministro das Finanças, Shunichi Suzuki, e o governador do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, devem participar da reunião.


A reunião dos chefes de finanças ocorre antes de uma cúpula do G-20 agendada para novembro na Indonésia. A Rússia disse que o presidente Vladimir Putin pretende participar das conversas dos líderes, provocando pedidos para remover o país do grupo.


A Rússia costumava ser um membro do G-8. Mas foi retirado da estrutura após o clamor internacional pela anexação da Crimeia em 2014.


Espera-se que a Indonésia não impeça a Rússia de participar das reuniões do G-20, e o país poderá participar virtualmente. Mas os membros que se opõem à participação da Rússia podem decidir renunciar à reunião.


Quanto ao aumento global dos preços da energia e dos custos dos alimentos exacerbados pela invasão em curso da Ucrânia, espera-se que uma declaração seja emitida em uma reunião relacionada ao FMI a ser realizada após a reunião do G-20.


O G-20 agrupa Argentina, Austrália, Brasil, Grã-Bretanha, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul, Turquia, Estados Unidos e Europa União.


O grupo foi formado em 1999 para discutir políticas para alcançar a estabilidade financeira internacional após a crise cambial asiática que começou com o colapso do baht tailandês.


Após uma crise financeira global desencadeada pelo fracasso da empresa de valores mobiliários americana Lehman Brothers em 2008, os líderes dos países membros do G-20 começaram a realizar cúpulas.


Em 18 de fevereiro, cerca de uma semana antes de a Rússia iniciar seu ataque à Ucrânia, os líderes financeiros do G-20 disseram que "continuarão monitorando os principais riscos globais, incluindo tensões geopolíticas que estão surgindo e vulnerabilidades macroeconômicas e financeiras", sem mencionando a crise na Ucrânia.


Para a cúpula do G-20 agendada para novembro, o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida disse na semana passada que o país "responderá adequadamente com base em discussões com outros membros do G-20 e exames nas seguintes situações".