TSJ MN_edited.png

1/3

Dobradinha queniana acontece na Maratona Feminina, iniciando o penúltimo dia das Olimpíadas


JAPÃO - A queniana Peres Jepchirchir conquistou o ouro na maratona feminina ao liderar a dobradinha queniana no sábado, o penúltimo dia das Olimpíadas de Tóquio, enquanto a nipo-maratonista Mao Ichiyama, foi a atleta mais bem colocada entre as japonesas, em oitavo lugar.


Jepchirchir, de 27 anos, superou o calor opressor de Sapporo e cruzou a linha de chegada nas melhores 02:27:20. O recordista mundial Brigid Kosgei seguiu 16 segundos depois para ganhar a prata, com Molly Seidel, dos Estados Unidos, levando o bronze em 2:27:46.


O canhão de partida disparou às 6 da manhã com uma leitura de temperatura de 25 C e umidade de 84 por cento. Poucas horas antes do horário marcado para começar, a maratona foi adiantada em uma hora em relação à largada das 7h para evitar o pior do calor, que atingiu 29°C mais tarde na corrida.


"Estava tão quente, não foi fácil. Estou grato por ter conseguido (para lidar) com aquele tempo", disse Jepchirchir. "É uma sensação boa. Estou muito, muito feliz porque vencemos como Quênia. Primeiro e segundo."


Quinze dos 88 corredores, incluindo a campeã mundial Ruth Chepngetich do Quênia, que fazia parte do pelotão da frente nos primeiros 30 quilômetros, não terminaram a corrida de 42,195 km, que começou e terminou no Parque Odori, em Sapporo.


O pelotão havia diminuído para nove na marca de 30 km, com os dois quenianos ainda parecendo notavelmente novos. Oito mulheres ainda estavam na disputa com 10 km pela frente.


A menos de 5 km do fim, Jepchirchir e Kosgei separaram-se dos quatro finalistas, com Jepchirchir a assumir uma ligeira vantagem. Na estação de alimentação, pouco depois de 40 km, Jepchirchir deu um tiro que abriu uma lacuna que lhe permitiu cruzar a linha sem contestação, ganhando o segundo ouro olímpico consecutivo de seu país no evento.


"Aumentei o ritmo (e quando abri a lacuna) foi tipo, 'uau, vou conseguir. Vou vencer'", disse Jepchirchir.


A dobradinha foi a primeira de qualquer país em uma maratona olímpica feminina.


"Fiquei feliz porque fui escolhido para representar meu país pela primeira vez", disse Kosgei, de 27 anos. "Quero agradecer ao Quênia e aos meus fãs, meu treinador e meus colegas que treinaram comigo porque ganhamos ouro e prata".

Ichiyama, de 24 anos, que marcou 2:30:13, se tornou a primeira mulher japonesa em 17 anos a terminar entre os oito primeiros em uma maratona olímpica. A última vez que isso aconteceu foi nos Jogos de Atenas em 2004, quando três mulheres japonesas, incluindo a medalha de ouro Mizuki Noguchi, terminaram acima do oitavo lugar.


"Venho trabalhando para chegar a este dia há muito tempo. Tendo tido a oportunidade de competir com corredores de classe mundial, foi impressionante como eles foram rápidos, apesar do calor", disse Ichiyama.


Também pelo Japão, Ayuko Suzuki terminou em 19º e Honami Maeda, que liderou o pelotão nos primeiros estágios da corrida, terminou em 33º.