1665608300863.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

1665857330426.png
1665857427662.png

1/4
Buscar

Economia do Japão atingida pela pandemia registra contração recorde no ano fiscal de 2020


JAPÃO - A economia do Japão no ano fiscal de 2020 encolheu 4,6 por cento reais em relação ao ano anterior, a contração anual mais acentuada já registrada, já que a pandemia de coronavírus desferiu um golpe debilitante no consumo e nas exportações, mostraram dados do governo na terça-feira.


Em queda pelo segundo ano consecutivo, a queda do produto interno bruto real, o valor total dos bens e serviços produzidos no país ajustado pela inflação, é a maior contração anual desde que os dados começaram a ser compilados no ano fiscal de 1955, segundo dados preliminares divulgados pelo Gabinete do Governo.


A contração recorde anterior foi de 3,6% no ano fiscal de 2008, registrada na esteira da crise financeira global.


Os dados também mostraram que o PIB no período janeiro-março encolheu 5,1 por cento real anualizado em relação ao trimestre anterior, a primeira retração em três trimestres, correspondendo a uma contração de 1,3 por cento em uma base trimestral com ajuste sazonal.


A terceira maior economia do mundo contraiu um recorde anualizado de 28,6 por cento no segundo trimestre de 2020 devido à primeira emergência de vírus do país de abril a maio, um retrocesso dificilmente compensado por crescimentos anualizados de 22,9 por cento no terceiro trimestre seguinte e 11,6 por cento no quarto trimestre, respectivamente.


O consumo privado despencou 6,0% no ano fiscal até março, quando as pessoas se abstiveram de comer fora e fazer viagens por medo de contrair o novo coronavírus.


As exportações de bens e serviços despencaram 10,4%, já que muitas das principais cidades no exterior foram colocadas sob severas restrições, reduzindo a demanda por produtos japoneses, como carros e peças automotivas.


As importações caíram 6,8 por cento devido a uma queda nos preços dos recursos energéticos, incluindo petróleo bruto e gás natural liquefeito, aliviando o encolhimento do PIB.


A pandemia aprofundou a incerteza sobre as perspectivas econômicas para as empresas, fazendo com que os gastos de capital, outro pilar importante da demanda doméstica, despencassem 6,9% e o investimento residencial privado despencasse 7,1%.


O investimento público cresceu 4,0%, enquanto os gastos do governo aumentaram 3,1%.


"Foi uma redução recorde, mas na época da crise financeira global, quedas consideráveis ​​do PIB foram marcadas nos dois anos fiscais de 2008 e 2009", disse Atsushi Takeda, economista-chefe do Instituto de Pesquisa Itochu. "Portanto, não podemos julgar ainda, apenas com os dados mais recentes, se o choque do coronavírus é maior."


Quanto ao último trimestre até março, os números do PIB foram piores do que a projeção média de um encolhimento anualizado de 4,61% pelos economistas do setor privado.


Os gastos privados caíram 1,4% no período em relação ao trimestre anterior, enquanto os gastos de capital também caíram 1,4%.


Enfrentando um ressurgimento de infecções por vírus desde novembro, o governo declarou seu segundo estado de emergência no início de janeiro para a área metropolitana de Tóquio, e o expandiu para 11 das 47 prefeituras do Japão em uma semana. Foi totalmente levantado no final de março.


Com pedidos para que as pessoas fiquem em casa e restaurantes e bares para reduzir o horário de funcionamento para conter a propagação do vírus, a medida levou a uma queda acentuada de 1,4 por cento no consumo privado, que responde por mais da metade do PIB do Japão, no relatório trimestre de outubro a dezembro.


O programa governamental de subsídios "Go To Travel", lançado em julho passado para aliviar as consequências do vírus no setor de turismo, foi suspenso em todo o país desde o final de dezembro em resposta a um aumento nos casos de vírus, pesando nos gastos do consumidor e do governo.


"O impacto do vírus nos gastos individuais em serviços presenciais foi especialmente significativo, especialmente em comer fora", disse um funcionário do governo a repórteres.


As exportações aumentaram 2,3 por cento no período de janeiro a março, devido aos rápidos embarques de componentes eletrônicos e bens de capital para as nações asiáticas, incluindo a China. Mas o ritmo desacelerou após uma expansão de 11,7 por cento registrada no trimestre anterior.


Olhando para o futuro, alguns analistas preveem que o Japão continuará a ver uma contração no atual período de abril a junho, já que outra emergência emitida no mês passado agora cobre Tóquio e oito prefeituras em meio à disseminação de variantes mais contagiosas do vírus, com o país ficando para trás de outros importantes economias em seu lançamento de vacinas.


"O PIB de abril a junho depende das exportações, já que o consumo continuará caindo e o capex ficará estável, na melhor das hipóteses", disse Takeda, da Itochu Research. "Acho que as exportações vão aumentar, apoiadas pela recuperação da demanda nos Estados Unidos. Do contrário, o Japão pode ver um crescimento negativo novamente."


Em termos nominais, ou não ajustados para mudanças de preços, a economia encolheu 4,0 por cento no ano fiscal de 2020 e 1,6 por cento, ou 6,3 por cento anualizado, no trimestre de relatório.


Os dados revisados ​​do PIB para o trimestre e o ano fiscal estão programados para serem divulgados em 8 de junho.