top of page
1665608300863.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

1665857330426.png
1665857427662.png

1/4
Buscar

Em combate mundial contra a gordura trans, Ásia e África seguem lentos


JAPÃO - Os países asiáticos e africanos estão atrasados nos esforços para eliminar a gordura trans prejudicial dos produtos alimentares até o final deste ano, apesar do progresso substancial feito em todo o mundo desde que a OMS estabeleceu a meta em 2018.


"A Ásia é uma região onde o progresso (na eliminação de gorduras trans produzidas industrialmente) é relativamente lento em comparação com a Europa e as Américas", disse o cientista Rain Yamamoto.


"Seria ótimo ver o Japão, que é um campeão em muitas áreas relacionadas à saúde, liderar a região adotando políticas de melhores práticas", acrescentou.


O Japão não tem nenhuma política obrigatória em vigor para combater as gorduras trans em produtos alimentícios. A Tailândia deu um exemplo para a Ásia em 2019 ao adotar tais regulamentos. Cingapura, Bangladesh, Índia e Filipinas seguiram o exemplo.


As gorduras trans produzidas industrialmente são compostos artificiais de óleos processados e podem ser encontradas em produtos fritos, doces, alimentos embalados e cremes. Seu consumo aumenta o risco de doenças cardíacas e endurece as artérias, contribuindo para níveis mais altos de colesterol.


"A gordura trans é um produto químico tóxico que mata e não deve ter lugar nos alimentos", disse o chefe da OMS, Tedros Ghebreyesus.


"Não tem nenhum benefício conhecido e enormes riscos para a saúde que incorrem em enormes custos para os sistemas de saúde", acrescentou.


Substitutos mais saudáveis para a gordura trans artificial incluem óleos à base de plantas, como soja, colza e azeite, de acordo com a OMS.


Dos 60 países que têm regulamentos obrigatórios em vigor para reduzir os níveis de gordura trans nos alimentos, 43 adotaram as "políticas de melhores práticas" da OMS com o objetivo de remover a gordura trans produzida industrialmente de todos os produtos alimentícios até o final de 2023, de acordo com o relatório.


Mas 5 bilhões de pessoas vivem em países, incluindo o Japão, sem limites obrigatórios para a gordura trans em produtos comestíveis.


Nove dos 16 países estimados como tendo a maior parcela de mortes por doenças cardíacas coronárias causadas pelo consumo de gordura trans não adotaram políticas de melhores práticas, disse o relatório. Essas nações incluem Austrália, Egito, Paquistão e Coreia do Sul.


Embora a proporção de tais mortes seja baixa no Japão, Yamamoto disse que a ingestão de gordura trans pode se tornar mais prevalente entre a população no futuro, à medida que os fabricantes de alimentos procuram mercados que ainda permitam produtos que a contenham.


Os membros da Aliança Internacional de Alimentos e Bebidas, que inclui grandes empresas de processamento de alimentos, como Nestlé e Danone, comprometeram-se a eliminar gradualmente a gordura trans industrial da produção até 2023.


Yamamoto disse que a OMS está monitorando de forma independente seus compromissos e deve apresentar suas conclusões no segundo semestre do ano.

bottom of page