1665608300863.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

1665857330426.png
1665857427662.png

1/4
Buscar

Em meio a tensões da China, Japão diz que deve precisar de até mil mísseis para se defender


JAPÃO - O Japão estima que precisará de cerca de mil mísseis de longo alcance, além de seu estoque de mísseis antibalísticos como defesa contra as crescentes capacidades militares da China.


Com o aumento das tensões na região, o Ministério da Defesa deverá apresentar para 2024 uma parte de seu plano de ampliar o alcance dos mísseis guiados, com os custos associados a serem incluídos em seu pedido orçamentário para o ano fiscal de 2023.


O ministério está buscando um orçamento recorde de mais de 5,5 trilhões de ienes para o próximo ano fiscal, com o montante provavelmente ainda mais balão depois que os custos não especificados para cerca de 100 itens forem finalizados, disseram as fontes.


Ao fazer sua estimativa, o governo japonês pesquisou o número de mísseis, e o orçamento necessário, que seriam necessários para combater mísseis chineses, com base na suposição de que Pequim possui um grande número de mísseis que podem ser usados para atacar o Japão.


O quadro de mísseis com etiquetas de preço ainda não especificadas, serão discutidos durante uma revisão de três documentos relacionados à segurança, incluindo a Estratégia de Segurança Nacional, prevista para ser atualizada até o final de 2022.


"Como uma nação insular, o Japão será atacado de longe. Portanto, é necessário ter uma série de mísseis para contra-atacar", disse Itsunori Onodera, que lidera a Comissão de Pesquisa em Segurança Nacional.


O pedido orçamentário reflete o desejo de melhorar as capacidades de defesa do país e sistemas não tripulados, como drones.


O primeiro-ministro Fumio Kishida em uma coletiva de imprensa em 10 de agosto chamou uma revisão das capacidades de defesa a questão mais importante para a parte restante do ano, acrescentando que ele "faria um esforço conjunto para ter uma compreensão firme da escala do orçamento e garantir recursos financeiros".