1650382760548_edited.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

Radio Mirai (Branco).png
1650382760548.png

1/3

Em meio ao calor, Japão pede ao público que diminua uso de energia elétrica para fins desnecessários


JAPÃO - O governo japonês emitiu um aviso de uso de energia pela primeira vez no domingo, à medida que as temperaturas sufocantes em Tóquio e áreas circundantes devem pressionar o sistema à medida que as empresas reabrirem na segunda-feira.


O Ministério da Economia, Comércio e Indústria está particularmente instando o público na área de serviço da TEPCO a economizar eletricidade através de medidas, incluindo desligar luzes desnecessárias no período intensivo de demanda das 15h às 18h de segunda-feira.


A chamada vem quando as projeções mostram que a taxa de capacidade de fornecimento de energia da área será de 5% na segunda-feira. O nível mais baixo necessário para a oferta estável é de 3%.


A região de Kanto, no leste do Japão, tem sofrido temperaturas recordes de calor sábado e domingo, com o calor possivelmente continuando até segunda-feira. As atividades econômicas, inclusive por empresas privadas, provavelmente aumentarão com o início da semana.


No entanto, o ministério está pedindo que as pessoas continuem o uso minucioso de condicionadores de ar devido ao risco aumentado de insolação.


Na área de serviço da TEPCO que cobre Tóquio e oito prefeituras próximas, as taxas de reserva na segunda-feira devem ser de 4,7% por volta das 16h às 16h30, caindo para 3,7% das 16h30 às 17h, de acordo com o ministério.


Outros grandes fornecedores de eletricidade em todo o Japão, incluindo a companhia de Tohoku que atende o nordeste do país e a de Chubu no centro do Japão, devem ver uma demanda significativa de energia neste verão.


As taxas de reserva em julho devem ser de 3,1% nas áreas de Tohoku, Tóquio e Chubu, e em 3,8% em regiões incluindo oeste e sudoeste do Japão.


O sistema do ministério para emitir um alerta sobre o uso de energia foi introduzido este ano após uma revisão sobre a resposta à alta demanda em março deste ano, quando um poderoso terremoto na região nordeste do país fez com que algumas usinas parassem.