TSJ MN_edited.png

1/3

Em reunião, Kishida promete melhores condições de trabalho para as mulheres


JAPÃO - O governo japonês pediu uma renovação das práticas trabalhistas, fiscais e sistemas de seguridade social.


Um projeto político afirma que a garantia da vida econômica da mulher somente quando casada é obsoleta para o tempo atual, à medida que mais mulheres se divorciam para viver uma vida individualmente financeira.


O governo planeja tornar obrigatório que empresas com 300 ou mais funcionários divulguem dados de diferença salarial de gênero, e ajudem as mulheres a adquirir habilidades digitais necessárias e encontrar um emprego estabelecendo um período intensivo de três anos.


Também revisará os sistemas de tributação e seguridade social existentes para refletir melhor as necessidades das mulheres trabalhadoras.


O Japão fica atrás de outras nações na garantia da igualdade de gênero e ficou em 120º lugar entre 156 nações em um relatório de diferença de gênero do Fórum Econômico Mundial, divulgado em março de 2021, devido à baixa porcentagem de mulheres em cargos gerenciais ou legisladoras femininas.


"Eu colocarei o 'empoderamento econômico feminino' no centro da minha nova forma de capitalismo e implementarei corajosamente medidas para aumentar o salário das mulheres", disse o primeiro-ministro Fumio Kishida em uma reunião do painel do governo.


Sob o que ele denomina um "novo capitalismo", Kishida busca garantir um ciclo virtuoso de crescimento e distribuição. Ele pede que as empresas aumentem os salários de forma mais agressiva para recompensar os trabalhadores e apoiar a demanda doméstica.


O novo projeto de política diz que é preciso mudar a mentalidade que ajudou a apoiar os sistemas sociais em todo o rápido crescimento econômico do país décadas atrás, que os homens devem trabalhar e as mulheres devem ficar em casa e fazer o trabalho doméstico.


Especialistas veem o governo como enfrentando a formidável tarefa de mudar a forma como as pessoas pensam e agem porque exigirá uma visão política de longo prazo e apoio financeiro.


Melhorar o ambiente de trabalho para os homens também é uma prioridade, e o governo disse que precisa facilitar que os homens tirem licença paternidade e trabalhem em casa.


O Japão é uma das sociedades de envelhecimento mais rápido do mundo e enfrenta escassez de mão-de-obra. Mais mulheres entraram na força de trabalho nos últimos anos, embora muitas tendem a trabalhar meio período.