1665608300863.png

JORNALISMO SIMPLES E DIRETO | O dia a dia do Japão

1665857330426.png
1665857427662.png

1/4
Buscar

Embaixador russo no Japão diz que sanções contra o país são contraditórios


JAPÃO - O embaixador russo no Japão, Mikhail Galuzin, alertou na quarta-feira que os planos do Japão de adotar medidas punitivas contra a Rússia em linha com sanções mais duras impostas a Moscou por algumas nações ocidentais no caso de agressão militar na Ucrânia seriam "contraproducentes".


As declarações do enviado vieram depois que o primeiro-ministro, Fumio Kishida, prometeu durante uma cúpula virtual com o presidente dos EUA, Joe Biden, no final do mês passado, tomar "uma ação forte em resposta a qualquer ataque" à Ucrânia pela Rússia, que aumentou sua presença militar na fronteira, alimentando preocupações. sobre uma possível invasão.


"Acho que esses comentários sobre as chamadas ações fortes contra a Rússia são contraproducentes", disse Galuzin em entrevista coletiva no Clube de Correspondentes Estrangeiros do Japão em Tóquio. "Eles não contribuiriam para a criação de uma boa atmosfera, uma atmosfera positiva em um diálogo entre a Rússia e o Japão."


Na terça-feira, o secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, disse em entrevista coletiva que Tóquio levará em consideração que tipo de ação pode tomar.


Quaisquer sanções do Japão "contradiriam o acordo entre nossos líderes para desenvolver relações abrangentes entre a Rússia e o Japão", disse Galuzin, referindo-se a um acordo bilateral em 2018 para acelerar as negociações para a conclusão de um tratado de paz para encerrar formalmente as hostilidades da Segunda Guerra Mundial.


A declaração menciona a transferência para o Japão de dois dos quatro grupos de ilhas apreendidos pela União Soviética no final da guerra, sobre os quais Japão e Rússia têm uma disputa de décadas sobre sua soberania. A disputa territorial os impediu de assinar um tratado de paz.


Galuzin deu a entender que a política do Japão contra a Rússia sobre a questão da Ucrânia poderia afetar futuras negociações sobre um tratado de paz. O embaixador russo também condenou a expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte para o leste como criando uma "crise profunda e sistemática".


"Tudo o que os EUA e a OTAN querem é impedir a coexistência natural de irmãos entre nossos dois estados e nosso povo."


Questionado sobre a intenção dos recentes exercícios militares conjuntos da Rússia e da China, Galuzin disse que é "natural que dois países vizinhos" fortaleçam sua cooperação em segurança.


"Levando em conta que Rússia e China são parceiros estratégicos, eles estão apenas fazendo seu trabalho, e o trabalho é proteger os interesses nacionais da Rússia e da China, respectivamente, e a área de segurança para defender nossas fronteiras", disse o enviado.