1/3

Emergência provoca cortes em voos domésticos e trens-bala


JAPÃO - As principais companhias aéreas japonesas disseram na sexta-feira que vão suspender mais voos domésticos depois que o Japão declarou um novo estado de emergência sobre o novo coronavírus para Tóquio e suas prefeituras vizinhas para conter a propagação do vírus.


A Nippon Airways Co. cortará 2.698 voos entre 15 e 31 de janeiro, elevando a taxa de operação em janeiro para 66 por cento em comparação com 79 por cento em dezembro, de acordo com sua controladora ANA Holdings Inc. A Japan Airlines Co. cortará 3.567 voos adicionais entre 13 e 31 de janeiro, com sua taxa de operação para este mês caindo para 60 por cento de 78 por cento no mês passado.


Os serviços de trem-bala Shinkansen ligando Tóquio a grandes cidades como Nagoya e Osaka serão cortados em cerca de 10 por cento entre 18 de janeiro e 28 de fevereiro em relação ao plano original, disse a operadora Central Japan Railway Co.. O número médio de trens operados diariamente diminuirá para 309.


JR Central disse que a redução ocorre porque o número de passageiros já está diminuindo devido ao aumento dos casos de coronavírus.


Sob um estado de emergência de um mês de sexta-feira a 7 de fevereiro nas prefeituras de Tóquio, Chiba, Kanagawa e Saitama atingidas por infecções ressurgentes por coronavírus, as pessoas são convidadas a evitar passeios não urgentes, especialmente após as 20h. Os governadores de Osaka, Kyoto e Hyogo, no oeste do Japão, devem pedir ao governo que coloque suas prefeituras em estado de emergência.


Os restaurantes e bares devem parar de servir bebidas alcoólicas às 19h e fechem às 20h. As instalações de entretenimento também são afetadas pela declaração de emergência, a segunda desse tipo para a área metropolitana de Tóquio. A participação nos eventos será limitada a 5.000 pessoas ou 50 por cento da capacidade do local.


Tokyo Disneyland e Tokyo DisneySea fecharão às 19h, uma hora antes do anunciado anteriormente, de terça a 7 de fevereiro, de acordo com a operadora Oriental Land Co. A decisão foi tomada para garantir que os visitantes possam voltar para casa às 20h, em linha com o pedido do governo.


A operadora disse que deixará de servir bebidas alcoólicas nos parques às 19h e limitará o número de ingressos a serem vendidos a partir de terça-feira a um máximo de 5.000 em cada instalação.