1/3

Esposa que assassinou "Don Juan" também é indiciada por vender quadros do marido após a morte


JAPÃO - Uma mulher de 25 anos que foi presa na semana passada pelo suposto assassinato em 2018 de seu marido rico e idoso no oeste do Japão é suspeita de ter planejado vender pelo menos um dos quadros caros que ele possuía, disseram fontes investigativas na quinta-feira.


Saki Sudo pediu a um negociante de arte para avaliar a pintura de Kosuke Nozaki, 77, presidente de uma empresa de vendas de bebidas e negócios imobiliários na província de Wakayama, que acumulou uma propriedade no valor de cerca de 1,3 bilhão de ienes (US $ 11 milhões), disseram as fontes.


Nozaki publicou uma autobiografia em 2016 na qual se comparou ao mítico playboy espanhol Don Juan, afirmando ter dado 3 bilhões de ienes para 4.000 "mulheres bonitas".


Sudo supostamente fez o pedido após a morte de Nozaki em maio de 2018, apenas três meses após o casamento. O homem possuía várias obras de arte caras, entre outros itens de luxo, de acordo com as fontes.


Eles não disseram se Sudo realmente recebeu uma avaliação do negociante ou vendeu a pintura.


Sudo é suspeito de fazer Nozaki ingerir uma quantidade letal de uma droga estimulante ilegal com a intenção deliberada de matá-lo em sua casa em Tanabe, província de Wakayama, de acordo com a polícia.


Ela negou as acusações durante o interrogatório voluntário antes de sua prisão em 28 de abril, disseram as fontes. A polícia local se recusou a revelar se ela fez uma confissão desde sua prisão.


Sudo, que é de Sapporo, na ilha principal de Hokkaido, no extremo norte do Japão, disse a um amigo que se casou com Nozaki em fevereiro de 2018 porque ele concordou em lhe dar 1 milhão de ienes por mês, segundo o amigo.


No entanto, ela costumava ficar em Tóquio mesmo depois do casamento e Nozaki, insatisfeito com a situação, pediu-lhe o divórcio antes do suposto assassinato, disseram as fontes.


A polícia está investigando como Sudo conseguiu dinheiro após a morte de seu marido, enquanto ela mudava de casa várias vezes após o suposto assassinato, antes de se estabelecer em um condomínio no bairro de Shinagawa, em Tóquio. Eles enviaram Sudo aos promotores em 29 de abril.


Nozaki foi encontrado morto na casa do casal com vestígios de uma droga estimulante em seu sistema, mas sem marcas de agulha em seu corpo, o que levou a polícia a investigar o caso como um possível assassinato por envenenamento.


Dada a notoriedade que Nozaki ganhou por meio de sua autobiografia, sua morte suspeita atraiu a atenção do público.


As fontes disseram antes que Sudo pesquisou sobre estimulantes na internet e contatou um traficante de drogas.