TSJ MN_edited.png

1/3

Estudo diz que forte tremor em Tóquio causaria morte de até 6100 pessoas


JAPÃO - Cerca de 6100 pessoas morreriam no caso de um grande terremoto atingir o coração de Tóquio, disse o governo metropolitano em um relatório na quarta-feira, revisando para baixo a estimativa em cerca de 30% em relação a uma década atrás.


O relatório do painel de especialistas em terremotos do governo metropolitano atribui a redução de cerca de 3500 pessoas aos avanços na resistência a terremotos dos edifícios e ao maior uso de materiais não combustíveis em sua construção.


O painel simulou terremotos significativos com epicentros diferentes para a projeção de danos mais recente e concluiu que o maior número de mortos, de até 6148, resultaria se um terremoto de magnitude 7,3 se originasse na parte sul do centro de Tóquio.


Tal tremor registraria o máximo de 7 na escala de intensidade sísmica do Japão e abalaria cerca de 60% dos 23 bairros de Tóquio com uma intensidade superior a 6.


Em uma intensidade de 6 superiores, muitas pessoas acham impossível permanecer em pé ou se mover sem engatinhar. De acordo com a agência meteorológica, os solavancos são fortes o suficiente para lançar pessoas pelo ar.


Das mortes estimadas, 3209 seriam causadas por prédios desmoronados e 2482 por incêndios, segundo o relatório.


Cerca de 194 mil casas e outros edifícios seriam danificados, enquanto cerca de 4,53 milhões de pessoas não poderiam voltar para suas casas.


Uma projeção semelhante em 2012 estimou que até 9641 pessoas seriam mortas e cerca de 304 mil residências seriam danificados.


Entre os fatores citados para as reduções nas estimativas de mortes e danos está uma melhoria na resistência a terremotos das casas, com a proporção de casas resistentes a terremotos aumentando de 81% para 92% em 2020 no espaço de 10 anos.


Outro fator é a diminuição de áreas habitacionais de madeira densamente povoadas, onde os incêndios podem se espalhar facilmente.


Durante o período de rápida urbanização em Tóquio no pós-guerra, essas áreas foram desenvolvidas em cerca de 16.000 hectares de terra, principalmente fora da linha circular JR Yamanote, de acordo com o governo metropolitano.


Mas graças em parte aos subsídios para demolir unidades habitacionais antigas ou substituí-las por novas, a área cultivada dessas áreas encolheu ao longo dos anos para cerca de 8600 hectares em 2020.


O painel de especialistas indicou que, se medidas adicionais forem tomadas, o número de mortes por desabamento de prédios e incêndios poderá ser reduzido para cerca de 800.


"Embora o número de mortes tenha sido reduzido, perdas de até 6000 pessoas não devem acontecer", disse Naoshi Hirata, chefe do painel e professor emérito da Universidade de Tóquio. "É necessário avançar de forma constante as medidas."


Espera-se que o governo metropolitano revise seu plano de prevenção de desastres com base nas últimas projeções.