1/3

EUA, Japão e outros aliados condenam a China por ataques cibernéticos


JAPÃO - Os Estados Unidos, Japão, OTAN e outros aliados dos EUA tomaram uma ação coordenada na segunda-feira para condenar Pequim por ataques cibernéticos supostamente envolvendo atores ligados ao Estado, um movimento que pode adicionar mais tensão a uma rivalidade crescente entre EUA e China.


Os Estados Unidos também culparam o Ministério de Segurança do Estado da China por seu papel no comprometimento maciço do software de e-mail Exchange Server da Microsoft, cujas vulnerabilidades foram divulgadas em março, dizendo que foi conduzido por "hackers contratados" afiliados à agência de inteligência chinesa .


"Os Estados Unidos e países ao redor do mundo estão responsabilizando a República Popular da China por seu padrão de comportamento irresponsável, perturbador e desestabilizador no ciberespaço, que representa uma grande ameaça à nossa segurança econômica e nacional", disse o secretário de Estado Antony Blinken em um comunicado.


O secretário de Relações Exteriores britânico, Dominic Raab, disse que o ataque cibernético ao Microsoft Exchange Server por grupos apoiados pelo Estado chinês foi "um padrão de comportamento temerário, mas familiar" e exigiu que o governo chinês acabasse com "essa sabotagem cibernética sistemática".


O Japão disse que "apóia fortemente" as declarações dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e outros países, que "expressam a determinação de manter a ordem internacional baseada em regras no ciberespaço".


"As atividades cibernéticas maliciosas que podem minar os alicerces da democracia personificada pelo ciberespaço livre, justo e seguro não podem ser toleradas", disse o secretário de imprensa estrangeira, Tomoyuki Yoshida, em um comunicado, acrescentando que o Japão "condena firmemente e tomará medidas rígidas contra essas atividades".


De acordo com um alto funcionário do governo dos EUA, um grupo sem precedentes de aliados e parceiros se junta aos Estados Unidos para expor e criticar as atividades cibernéticas maliciosas da China, incluindo Japão, Organização do Tratado do Atlântico Norte, União Europeia, Austrália, Grã-Bretanha, Canadá e Nova Zelândia.


Em sua declaração, os 30 membros da OTAN disseram: "Apelamos a todos os Estados, incluindo a China, para que mantenham seus compromissos e obrigações internacionais e ajam com responsabilidade no sistema internacional, inclusive no ciberespaço".


É a primeira vez que a OTAN condena as atividades cibernéticas de Pequim, segundo o funcionário norte-americano.


A medida pode ser vista como o mais recente esforço do governo do presidente Joe Biden para trabalhar com aliados dos EUA e países com idéias semelhantes para conter a assertividade da China e outros comportamentos que os preocupam.


De acordo com o governo dos EUA, o Ministério de Segurança do Estado da China usa hackers contratados para conduzir operações cibernéticas em todo o mundo, incluindo atividades criminosas, como extorsão cibernética e roubo de vítimas.


"O Ministério de Segurança do Estado da RPC promoveu um ecossistema de hackers criminosos que realizam atividades patrocinadas pelo Estado e crimes cibernéticos para seu próprio ganho financeiro", disse Blinken, referindo-se à sigla do nome oficial da China.


A Austrália, que junto com a Grã-Bretanha, Canadá, Nova Zelândia e os Estados Unidos formam a chamada aliança de compartilhamento de inteligência Five Eyes, disse estar seriamente preocupada com relatos sobre hackers contratados que realizaram roubo de propriedade intelectual para ganho pessoal e para fornecer vantagem comercial para o governo chinês.


O funcionário sênior dos EUA disse que os Estados Unidos e seus aliados estão deixando claro para a China que as atividades cibernéticas maliciosas apenas unirão os países-alvo ao redor do mundo para chamá-los e promover a defesa da rede e a segurança cibernética.


Em alguns casos, houve relatos de que os operadores cibernéticos afiliados ao governo chinês conduziram operações de ransomware contra empresas privadas que incluíram pedidos de resgate de milhões de dólares, de acordo com o governo dos Estados Unidos.


A "relutância de Pequim em lidar com atividades criminosas de hackers contratados prejudica governos, empresas e operadores de infraestrutura crítica por meio de bilhões de dólares em perda de propriedade intelectual, informações proprietárias, pagamentos de resgate e esforços de mitigação", disse o documento.